Lisboa

Gostou de ver os quadros na rua? Eles vão a leilão

429

As réplicas que desde setembro estão expostas na Baixa de Lisboa vão ser leiloadas a 6 de janeiro, anunciou o Museu Nacional de Arte Antiga. Até agora sobram 20 quadros. No Laranjeiro já só está um.

Aqueles que furtaram quadros das ruas podem devolvê-los anonimamente na redação do Observador e assim ajudar o MNAA a comprar a obra "A Adoração dos Magos"

© Hugo Amaral/Observador

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) revelou esta quarta-feira qual o destino dos cerca de 20 quadros que ainda se mantêm nas ruas da Baixa de Lisboa, ao abrigo da exposição “Coming Out – e se o museu saísse à rua?”. A partir das 10h de 6 de janeiro e até dia 10 do mesmo mês, as réplicas de pintores como Pieter Bruegel ou Vieira Portuense vão ser leiloadas online.

De acordo com o museu, as receitas do leilão, no qual toda a gente pode participar, revertem na totalidade para a aquisição da obra “A Adoração dos Magos, do pintor Domingos António de Sequeira, que o MNAA está a tentar comprar através de uma iniciativa inédita de angariação de fundos.

A base de licitação para cada quadro é de 100 euros. As cerca de 20 obras que se mantêm nas ruas vão ser recolhidas na noite de 1 de janeiro. Entre 5 e 8 de janeiro, vão poder ser vistas pelos interessados no Palácio do Correio Velho.

O museu espera “que mais nenhuma tela desapareça até ao final da exposição” e gostaria de contar também no leilão com os quatro quadros que foram levados no início do mês para a margem sul por um Robin das Artes, que não quis ser identificado. No entanto, nas paredes do Laranjeiro já só sobrevive uma tela.

“Sobra ‘O Conde de Farrobo'”, confirmou ao Observador o jovem que decidiu tirar quatro quadros do Chiado e levá-los para um bairro menos favorecido, onde a arte não chega. “O Senhor de Noirmont” foi “rasgado por uns miúdos”, contou. O mesmo aconteceu com o “São Damião”, de Bartolomé Bermejo: vandalizado por “um grupo de miúdos de 14 ou 15 anos” e depois levado dali.

robin das artes

“O Senhor de Noimont” foi levado da Rua Capelo, ao lado da PSP, para o Laranjeiro. Foi vandalizado

“Fiquei triste, esperava que aguentassem mais tempo”, admitiu. A tristeza deve-se ao facto de as obras terem sido estragadas. “Ainda se as levassem… Rasgar por rasgar não percebo”. Finalmente, o quadro “Conversação”, de Pieter de Hooch, descolou-se, caiu e foi levado.

O diretor do museu, António Filipe Pimentel, já tinha dito ao Observador que estava reservada para o final da “Coming Out” uma ideia que poderia fazer com que as pessoas que furtaram as obras das ruas sentissem que deveriam devolvê-las. Quem quiser entregar os quadros desaparecidos e assim ajudar à aquisição da obra “A Adoração dos Magos” pode deixá-los anonimamente na redação do Observador, no número 67 da Rua Luz Soriano, em Lisboa, ou então a partir de dia 4 de janeiro no Palácio do Correio Velho.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)