Milhares de pessoas foram retiradas de casa no sábado no Norte de Inglaterra, principalmente em York, Leeds e Manchester, devido a inundações provocadas por fortes chuvadas, que privaram de eletricidade milhares de lares.

A principal região afetada está sob alerta vermelho dos serviços nacionais de meteorologia (Met Office), que aconselhou a população a “tomar medidas para ficar em segurança”.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, já declarou que esta se trata de uma situação “sem precedentes”, explicando também que “o nível dos rios e o nível da chuva que caiu criou um efeito sem precedentes e deram origem a umas cheias graves. Faremos tudo o que for possível para ajudar as pessoas nesta hora de aflição”.

Para além disso, já foi anunciado que Cameron irá interromper as férias vai visitar as zonas afetadas. Espera-se que o primeiro-ministro chegue à região já esta segunda-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No entanto as previsões de chuvas fortes não se ficam por aqui, e para o meio da semana é esperado mais precipitação forte o que poderia piorar toda a situação. Por isso mesmo foi enviado um extra de 200 tropas para ajudar os 300 militares já presentes nas comunidades mais afetadas.

Para além disto, um porta-voz de Downing Street já confirmou também que outros mil militares vão estar de prevenção para o caso de “a situação piorar”.

Na altura do ocorrido, algumas testemunhas relataram o que ia acontecendo: “Tem vindo a piorar, chove intensamente desde a noite passada”, contou à agência France Presse Lee Fraser, um habitante de Todmorden, em Yorkshire.

De acordo com Kellie Hughes, cabeleireira de Whalley, em Lacanshire, onde as estradas ficaram submersas, “é tudo aterrador”.

“Já não há sacos de areia (para nos protegermos). As pessoas estão em pânico”, acrescentou.

Uma unidade do segundo batalhão do regimento do duque de Lancaster foi destacada para ajudar os residentes e as autoridades locais a enfrentarem as inundações.

“Poderá chover em 24 horas o equivalente a um mês”, disse o secretário de Estado do Ambiente, Rory Stewart, em declarações à BBC.