Rádio Observador

Banif

Açoreana vale entre 30 e 60 milhões (para os bancos)

Fundo Naviget, criado para receber ativos do Banif, vai relançar em janeiro a venda da participação na seguradora Açoreana. O encaixe irá capitalizar o Fundo de Resolução, propriedade da banca.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

A participação que o Banif tinha na seguradora Açoreana (de 48%), que foi transferida para o veículo público Naviget, vai ser colocada à venda assim que as condições de mercado o permitirem, escreve esta segunda-feira o Diário Económico. Este ativo pode valer entre 30 milhões e 60 milhões de euros e, se houver uma venda, o encaixe reverterá a favor do dono do Naviget, o Fundo de Resolução, que vive das contribuições dos bancos do sistema.

A Açoreana era um dos ativos que Jorge Tomé tinha colocado à venda antes da resolução do Banif, mas esse processo foi interrompido devido ao impasse que se vivia no banco. Agora, essa participação de 48% na seguradora foi um dos ativos que, no âmbito da resolução, foram transferidos para o novo veículo público – o Naviget – sofrendo um corte de 66% face ao valor que tinha no balanço do Banif. O veículo recebeu ativos que estavam avaliados em 2,2 mil milhões de euros mas atribui-lhes um valor de 740 milhões.

É devido a este corte sobre o valor dos ativos do Banif, que Jorge Tomé – depreende-se – acha excessivo, que o ex-presidente do Banif disse em entrevista à SIC que as eventuais vendas irão gerar uma mais-valia para o Naviget. Uma mais-valia que reverterá a favor do Fundo de Resolução e, portanto, capitalizará essa instituição. Está em causa, por exemplo, uma mitigação de um eventual prejuízo da banca com a venda do Novo Banco se esta for feita a um valor abaixo dos 4.900 milhões de euros que lá foram injetados pelo Fundo de Resolução.

Voltando à notícia do Diário Económico desta manhã, o jornal acrescenta que os restantes 52% nas mãos da Rentipar, a holding dos herdeiros de Horácio Roque, o fundador do Banif. Segundo as fontes contactadas pelo Económico, o Naviget deverá avançar com o processo de venda mesmo que a Rentipar não queira participar.

Banif tem 39.728 pequenos acionistas, diz o Diário Económico

O jornal financeiro diz que o Banif, entidade que permanece como “banco mau” mas que será liquidada em breve, tem 39.728 pequenos acionistas. Esses acionistas têm 31,33% do capital do banco – o restante são acionistas institucionais e, claro, o Estado, que tinha um pouco mais de 60%.

O Diário Económico escreve, também, que nos planos de Jorge Tomé estava uma transferência de ativos problemáticos mas apenas de 900 milhões de euros, o que já seria suficiente para facilitar a venda da posição do Estado no banco a um investidor privado. No âmbito da resolução, mais do dobro desse montante foi injetado em fundos públicos, sendo transferidos uma parte dos ativos para o veículo Naviget.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)