“Não pretendo trabalhar muito em 2016”, revelou Cate Blanchett em entrevista à revista britânica Harper’s Bazaar. A notícia foi divulgada depois da vencedora do Óscar de melhor atriz pelo filme Blue Jasmine aumentar a família composta pelos três filhos biológicos — com idades entre os 8 e 14 anos, frutos do casamento com o dramaturgo Andrew Upton — ao adotar uma menina chamada Edith, em fevereiro deste ano.

“Os nossos três filhos biológicos têm sido extraordinários. Tem sido maravilhoso vê-los crescer”, confessa Blanchett na edição da revista, justificando esta espécie de licença de maternidade. A atriz aproveitou para comentar que, mesmo sendo mãe pela quarta vez, “é sempre como se fosse a primeira” e que o processo de adoção de uma criança nem sempre é fácil. “Estamos na lista e recebemos uma chamada. Nunca se sabe nada sobre a criança que se vai conhecer.”

O anúncio da atriz australiana de 46 anos vem assim juntar-se às declarações de Adele que afirmou, em entrevista à revista Time, o quão difícil é conciliar a fama com o trabalho de ser mãe. “No outro dia estava a dizer ‘não tenho tempo para mim porque entre fazer todas estas coisas, todo o meu tempo livre é passado com ele’. Mas depois apercebi-me de que ele me tem mantido totalmente relaxada e calma com isto tudo [o mundo mediático].” “Ele” é o filho Angelo, cujo nascimento levou a cantora a fazer uma pausa na música.

À semelhança de Cate Blanchett e de Adele, o El País cita Drew Barrymore e Gwyneth Paltrow como outras atrizes que seguiram o mesmo exemplo. Já Kate Winslet também deu a entender que não é fácil conciliar os papéis de mãe e de atriz. A britânica de 40 anos tem três filhos e já recusou vários papéis para ser mãe a tempo inteiro. “É a única coisa que me tem feito recuar, pensar que poderia perder os meus fins de semana e aqueles momentos em que eles vão para a cama, que nunca iria conseguir recuperar.”

Texto editado por Ana Dias Ferreira.