Rádio Observador

Novo Banco

Credores séniores vão ajudar a pagar recapitalização do Novo Banco

Detentores da dívida com maior qualidade – a dívida sénior – tinham sido protegidos mas vão, afinal, ser chamados a pagar a recapitalização. Esta era uma das exigências de Catarina Martins, do BE.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Os credores do BES/Novo Banco que foram protegidos na resolução de agosto de 2014 – os detentores da chamada dívida sénior – vão ser chamados, agora, a participar no esforço de recapitalização do Novo Banco, que tem de ser feita até ao final do ano. Esta é, segundo a TSF, uma hipótese que está em cima da mesa – a estação de rádio cita fonte próxima do Executivo de António Costa. O Negócios aponta para uma solução diferente, que passa não pela conversão da dívida em capital mas um regresso dos títulos ao BES.

A negociação das obrigações do Novo Banco está suspensa pelo regulador, à espera da divulgação de informação relevante por parte da instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha.

O Novo Banco necessita de cerca de 1.200 milhões de euros para cumprir os rácios de capital exigidos pelo Banco Central Europeu (BCE). E, segundo a TSF, o BCE “sugeriu”, numa operação coordenada pelo Banco de Portugal (BdP) mas com decisão final do Governo, aplicar um bail in, isto é, um resgate por meios internos (em oposição a um resgate).

Em causa nesta operação, diz o Diário Económico, estarão até dois mil milhões de euros. O valor chega para acomodar a necessidade de capital de 1.400 milhões detetada pelos testes de stress e cria ainda uma almofada de até 600 milhões de euros para acomodar o impacto dos resultados negativos que o banco deverá apresentar para este ano de 2015.

Que implicações para esta decisão histórica?

Esta é uma decisão que está a causar algum celeuma nos mercados financeiros, porque se trata, no fundo, de uma alteração face àquilo que foi a divisão dos instrumentos na resolução do BES, em 2014. Entre as alternativas ao recurso a estes credores, que tinham sido protegidos, estaria a injeção de mais fundos por parte do Fundo de Resolução (ou seja, pelos bancos), possivelmente mais dinheiros públicos (algo que o governo jurou evitar) ou, claro, a entrada de um investidor privado (o que não parece exequível para já).

Na resolução do BES, os acionistas foram penalizados para mitigar a fatura para o Fundo de Resolução. E também sofreram perdas os detentores dos títulos de dívida subordinada, de menor qualidade (estes títulos ficaram no banco mau, o BES, uma espécie de massa falida). Mas os detentores de dívida sénior e os depósitos (mesmo os acima de 100 mil) euros foram protegidos, passando para o Novo Banco. Mas, agora, a solução para as necessidades de capital do Novo Banco passará pelos credores de dívida sénior, a confirmar-se esta notícia da TSF que cita fonte próxima do governo.

De um total de cinco a seis mil milhões de dívida sénior do Novo Banco, deverá ser feita uma “escolha seletiva” ou “rateio” das obrigações a transformar em capital, diz a TSF. Os critérios ainda não são conhecidos.

Já o Jornal de Negócios diz que o que acontecerá é uma saída de 1.500 milhões de euros em dívida que está no Novo Banco e que vai para o BES, o banco mau. Apenas os credores institucionais serão afetados, diz o jornal, não os particulares, uma decisão que está a gerar muita apreensão entre alguns especialistas contactados pelo Observador.

Solução era uma das exigências de Catarina Martins

A imposição de perdas aos obrigacionistas detentores de dívida sénior era uma das exigências do Bloco de Esquerda para viabilizar o Orçamento Retificativo. O Bloco exigiu que o governo se comprometa com a manutenção do Novo Banco na esfera pública. Em alternativa à venda, defendeu uma resolução (a segunda) decidida e rigorosa para repor os rácios sem nova injeção de capital, o que poderá passar, sugere, por imputar perdas aos credores seniores do BES que foram poupados na primeira resolução.

A partir do próximo ano, estes credores de maior qualidade (com maior prioridade na escala de reembolsos em caso de falência) passarão a surgir como potenciais afetados por resoluções bancárias. O mesmo acontece com os depósitos de mais de 100 mil euros, pelo que esta será, de certo modo, uma antecipação parcial das novas regras.

A solução avançada pela TSF está em cima da mesa e terá de ser aprovada antes da reunião do Conselho de Ministros desta quarta-feira. A solução encontrada não atinge os emigrantes detentores de obrigações seniores – cerca de 70.00 clientes, que em outubro deste ano viram 720 milhões de euros de aplicações compradas aos balcões do BES transformados em obrigações seniores do Novo Banco.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)