Na semana passada, um enorme deslizamento de terras na cidade chinesa de Shenzhen provocou o desaparecimento de, pelo menos, 91 pessoas e a destruição de 30 edifícios. O Ministério da Terra e dos Recursos Naturais chinês confirmou pouco tempo depois que o desastre ocorreu devido à excessiva acumulação de resíduos de construção e terras remexidas. Mas agora começam a surgir suspeitas de que as razões por detrás do ocorrido podem ir mais longe.

Isto porque, segundo revelaram as autoridades policiais locais esta segunda-feira, um antigo oficial responsável pela regulação de um enorme depósito de lixo que colapsou na cidade chinesa suicidou-se. O antigo diretor do Gabinete de Execução Administrativo Distrital de Guangming, distrito onde ocorreu o deslizamento, saltou de um edifício residencial na noite deste domingo, informou o Gabinete de Segurança Pública do distrito de Shenzen Nanshan.

A CNN informa também que o homem foi identificado como Xu Yuan’an. No entanto, nem a polícia nem a comunicação social confirmaram se Xu foi diretamente responsável pela autorização da descarga que provocou o deslizamento de terras.

Em comunicado, o Gabinete de Segurança Pública de Shenzen afirmou que a polícia tomou “medidas obrigatórias” contra 12 pessoas que devem ser responsabilizadas pelo desastre. A televisão estatal CCTV noticiou mesmo que estes tinham sido detidos.

A acrescentar a tudo isto, o Governo Distrital de Shenzhen Guangming sugeriu que Xu era ainda diretor em julho de 2015 e a comunicação social noticia, inclusivamente, que foi o seu gabinete quem aprovou a descarga de resíduos. Por tudo isto, as autoridades dizem agora que o gigantesco entulho que engoliu 33 edifícios resultou de várias violações de segurança. Ou seja, o que ocorreu não foi um desastre natural.

“Os responsáveis pelo incidente vão ser seriamente punidos de acordo com a lei e regulamento”, afirmou uma equipa de investigação estatal na última sexta-feira, e citada pela CNN.