Rádio Observador

Caso José Sócrates

O atrelado de uma Harley-Davidson no meio do caso Sócrates

521

O que é que o caso Sócrates e um atrelado de uma Harley-Davidson têm em comum? Joaquim Barroca e o grupo Lena. É que a revista Visão diz que um atrelado serviu de esconderijo. Para quê? Não se sabe.

"Está no frigorífico na arca congeladora do reboque da Harley que levei a ltália; a Dra. Ana do céu vai pedir-te que me lá vás buscar isso. E depois dás-lhe ainda hoje, ok?” Dizia uma mensagem alegadamente enviada por Joaquim Barroca ao funcionário responsável pelas suas viaturas.

JOSÉ COELHO/LUSA

Desde a detenção do antigo primeiro-ministro José Sócrates que o nome do grupo Lena não mais saiu das primeiras páginas e dos noticiários em Portugal. No meio desta teia de suspeitas apareceu também o nome de Joaquim Barroca, administrador da empresa de Leiria e que agora surge ligado a um esconderijo no mínimo peculiar.

A revista Visão conta que em abril os investigadores começaram a apontar baterias para a empresa que começava a ser suspeita de ser um dos corruptores de Sócrates. O problema é que os administradores tomaram conhecimento das suspeitas conseguindo mesmo saber o dia e a hora em que as autoridades chegariam à sede do grupo. Segundo a mesma revista, Francisco Santos, da área dos media do grupo Lena, ligou a avisar que o procurador Rosário Teixeira e o juiz Carlos Alexandre estavam em Fátima. Ali ao lado de Leiria. Ora, não foi preciso puxar muito pela cabeça para perceber para onde iriam a seguir. Assim, quando os investigadores chegaram para revistar os escritórios, já não havia sinal de Joaquim Barroca que é atualmente um dos 12 arguidos da Operação Marquês.

Mas se os responsáveis pela investigação já esperavam isto, o que encontraram a seguir surpreenderam-nos seguramente. Antes do local das buscas ter mudado para a casa de Barroca, o responsável pelas suas viaturas, Geraldo Rodrigues, enviou uma mensagem de texto: “Tudo entregue”. Pouco tempo depois o homem forte do grupo Lena respondeu com o seguinte texto, segundo escreve a Visão:

Está no frigorífico na arca congeladora do reboque da Harley que levei a ltália; a Dra. Ana do céu vai pedir-te que me lá vás buscar isso. E depois dás-lhe ainda hoje, ok?”

Foi preciso analisar todas as comunicações intercetadas para encontrar esta mensagem. Conta a Visão que foi o próprio juiz Carlos Alexandre que as analisou e, os investigadores questionaram: “Quem é que guarda o que quer que seja dentro de uma arca congeladora de um frigorífico guardado num reboque de uma motorizada?”

Os investigadores concluíram que existiam “fortes indícios de sonegação de prova”. O reboque servia de esconderijo, mas para quê não se sabia. E não se sabe até hoje. Num despacho assinado por Carlos Alexandre, citado pela Visão, o juiz diz que “no que se reporta aos indícios da verificação dos perigos, entendemos que a explicação dada pelo arguido para deter documentos guardados, de uma forma permanente, num atrelado de uma mota de colecção, colocada num pavilhão da sua propriedade, se afigura de todo inverosímil e é mesmo contraditória com outros indícios recolhidos nos autos, que apontam para a deslocação dos documentos no próprio dia da busca.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)