Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O comediante e ator norte-americano Bill Cosby, de 78 anos, foi libertado esta quinta-feira pelas autoridades norte-americanas, depois de ter sido detido no mesmo dia pelo crime de abuso sexual. O comediante teve de pagar uma fiança de 1 milhão de dólares (cerca de 915 mil euros, à taxa de câmbio atual), e aguardará julgamento em liberdade.

Bill Cosby foi acusado pelo Ministério Público norte-americano de “atentado indecente e agravado ao pudor”, por ter abusado sexualmente de uma mulher, em 2004. Segundo o procurador judicial do condado de Montgomery (no estado de Maryland), Kevin Steele, Bill Cosby terá forçado uma mulher a drogar-se, para posteriormente abusar sexualmente da vítima.

“As provas são fortes e suficientes para prosseguir [com a acusação]. Uma pessoa naquele estado não poderia dar o seu consentimento”, afirmou Kevin Steele, citado pelo jornal The New York Times. O procurador judicial referia-se ao estado em que a vítima – Andrea Constand – se encontrava, depois ter sido obrigada a ingerir drogas pelo comediante norte-americano.

A acusação surge um ano depois de dezenas de mulheres terem vindo a público acusar Bill Crosby de crimes semelhantes. Muitas dessas mulheres, relata a publicação, terão aplaudido a decisão do Ministério Público dos EUA em avançar com uma acusação contra um homem que, descreve o The New York Times, “chegou a ser altamente considerado enquanto figura paternal e enquanto moralista popular”.

Bill Cosby e Andrea Constand conheciam-se desde que a alegada vítima trabalhou com a equipa de basquetebol da universidade de Temple: a mesma frequentada por Bill Cosby enquanto estudante. Este ter-se-á tornado um “mentor” e um “amigo” da vítima, segundo afirmou o procurador, o que levou Andrea Constand a ir até à casa de Bill Cosby em 2004, no dia em que este é acusado de a ter drogado e atacado sexualmente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR