As encomendas de catering em Paris caíram drasticamente em relação ao ano passado, noticia o The Telegraph, com base em relatos de empresários parisienses da área da restauração à rádio Europe 1.

Ao que tudo indica, os habitantes da Cidade Luz planeiam celebrar a entrada em 2016 fora da cidade. Francis Cousin, proprietário de um serviço de buffet que teve mais de 400 encomendas em Paris no ano passado, refere que este ano não recebeu qualquer encomenda com origem na capital francesa.

“Tivemos muitos cancelamentos de encomendas previstas para a véspera de Ano Novo”, disse o empresário da restauração. “Tem sido catastrófico. As pessoas mostram-se relutantes em organizar eventos que envolvam muita gente,” explicou.

As decisões de cancelamento de encomendas e mudança de planos para as celebrações poderão ter sido influenciadas pela detenção de dois homens nesta terça-feira, na Bélgica, por serem suspeitos de planearem atentados terroristas em Bruxelas para as celebrações de ano novo.

O estado de emergência declarado após os ataques de 13 de novembro em Paris, que provocou a morte a 130 pessoas, permanece em vigor. Sete semanas depois dos ataques terroristas, a capital francesa permanece em estado de alerta máximo. As brigadas de minas e armadilhas têm sido solicitadas, em média, 25 vezes por dia para investigar pacotes suspeitos.

“Na maioria das vezes, são embalagens ou bagagens suspeitas que acabam por ser deixadas por pessoas distraídas,” disse uma fonte oficial que pediu anonimato ao Le Parisien, refere o jornal britânico. A mesma fonte relatou que o número de chamadas para as brigadas de minas e armadilhas aumentou após os ataques de janeiro ao jornal satírico Charlie Hebdo e a um supermercado kosher e após o massacre de novembro recebem dez vezes mais pedidos de ajuda.

Muitos foliões parisienses parecem ter planos para celebrar a entrada em 2016 na costa da Normandia, no norte de França, onde muitos restaurantes das cidades de Cabourg e Deauville têm lotação esgotada para a véspera de Ano Novo, ao contrário do que aconteceu o ano passado, em que ainda dispunham de mesas livres até o último minuto. Um funcionário da câmara de Deauville afirmou que o número de pessoas que se inscreveu para o tradicional mergulho da meia-noite no Canal da Mancha duplicou este ano.