Adolf Hitler

Versão integral de “A minha luta” de Hitler pela primeira vez no mercado português

135

"A minha luta", de Adolf Hiltler, regressa ao mercado português pela E-Primatur, 40 anos após a primeira edição em Portugal, pelas Edições Afrodite/Fernando Ribeiro de Mello. Agora em versão integral.

MATTHIAS BALK/EPA

Com prefácio do historiador António da Costa Pinto, a nova edição portuguesa de Mein Kampf regressa à tradução brasileira de Jaime de Carvalho, originalmente publicada pela Globo, que foi “revista e cotejada com o original”, de acordo com a E-Primatur, “acrescentando-se-lhe algumas partes não traduzidas”, o que a transforma, “portanto, na primeira tradução verdadeiramente integral da obra“, no mercado português.

A atual edição portuguesa é coordenada por Pedro Bernardo, um dos fundadores da E-primatur, surgida em maio deste ano, com o objetivo de criar uma “comunidade de editores”, através da promoção do “CrowdPublishing”, que alia o financiamento partilhado, “crowdfunding”, à publicação de livros.

Na apresentação da obra, a editora destaca que, “apesar do seu estilo errático e por vezes alucinado”, “A minha luta” contém uma “visão programática para a sociedade alemã – com alusões pouco veladas de eugenismo e uma ênfase obsessiva na questão racial, no papel da mulher alemã ou dos sindicatos -, para uma nova política externa (a referência constante à necessidade de espaço vital, mas também à política de alianças a levar a cabo) e, ainda, premonitoriamente, sobre os judeus”.

No fundo, dez anos antes de chegar ao poder, o que viria a ser a política interna e externa do III Reich levada a cabo por Hitler já estava plasmada em livro”, lê-se na apresentação da E-Primatur.

“Embora algumas das ideias [de Hitler], em termos de geopolíticos, reflitam os medos e anseios dos alemães, fruto da sua posição geográfica no continente europeu (…) noutros aspectos o texto é mais perturbador, em especial na questão do eugenismo, no futuro dos povos de Leste e, essencialmente, o destino a dar aos judeus”, lê-se na antecipação da obra.

O sítio da E-Primatur na internet indica ainda atalhos para polémicas sobre a reedição de “A minha luta” (“Mein Kampf”, no original), publicadas em títulos como The Telegraph, Magazine Litteraire, Le Monde, Libération, Deutsch Welle, Bloomberg, Washington Post e Newsweek.

A edição de 1976, da Afrodite, contava com comentários do historiador António H. de Oliveira Marques, do escritor e ensaísta José Martins Garcia, do ex-oficial do exército Sanches Osório, um dos militares de Abril, e recuperava textos de Rolão Preto, líder dos Nacional-Sindicalistas portugueses dos anos 1930, que chegou a opor-se a Oliveira Salazar.

A apresentação da Afrodite interrogava-se sobre o facto de “a difusão do ‘Mein Kampf’, em língua estrangeira, (…) não ter merecido a aprovação de Hitler”, citando o caso da edição francesa de 1934, feita apesar da proibição do autor.

“Uma consolação nos resta, algumas décadas volvidas sobre um grande massacre”, concluía a Afrodite: “Hitler pressentiu que ‘Mein Kampf’, obra ferozmente apologética, podia voltar-se contra a doutrina que veicula. Assim seja!”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)