Rádio Observador

Mundo

Embebedou-se, colapsou e acordou na morgue

Não deve ser agradável ser dado como morto e acordar numa morgue. Mas foi o que sucedeu a um homem russo cuja notícia do falecimento se revelou manifestamente exagerada.

Getty Images

Um homem russo não ganhou para o susto. Durante uma festa de arromba com amigos, o folião, não identificado, foi vítima de um colapso quando estava fortemente alcoolizado. Como não dava acordo de si, os companheiros presumiram que tinha falecido e decidiram chamar os serviços de emergência que, de facto, o declararam morto e o transportaram para uma morgue.

Acontece que a história não terminou aqui. O New York Post conta que o homem acordou, a meio da noite, baralhado e amedrontado por se encontrar fechado numa sala fria e cheia de cadáveres, de acordo com os relatos das autoridades policiais. Determinado em fugir do local, o morto-vivo bateu à porta até que os polícias de serviço na morgue lhe abriram a porta e o libertaram.

O folião, porém, não foi imediatamente para casa. Optou por regressar à casa onde a festa tinha decorrido e encontrou os amigos ainda em estado de choque e já a fazer o luto pela sua “morte”. Ao vê-lo, um dos amigos de copos desmaiou. Mas parece que o reencontro acabou por ser pretexto para fazer uma nova festa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)