O Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, anunciou, esta quinta-feira, durante a sua mensagem de Ano Novo, ter diminuido as penas de 3.100 prisioneiros que foram detidos durante a sangrenta crise pós-eleitoral de 2010.

“Decidi usar o meu direito de clemência para conceder reduções de penas integrais ou parciais”, declarou Ouattara, ao indicar que tal deve permitir “a milhares de detidos serem colocados imediatamente em liberdade”, com o indulto a abranger um total de 3.100 pessoas.

Ouattara foi investido como Presidente no início de novembro, depois de reeleito à primeira volta, em eleições pacíficas e credíveis consideradas fundamentais para virar a página da violência que se seguiu à sua vitória em 2010, quando derrotou o seu antecessor, Laurent Gbagbo.

A recusa de Gbagbo, que aguarda numa cela em Haia o julgamento no Tribunal Penal Internacional por crimes contra a Humanidade, em aceitar a vitória de Ouattara desencadeou várias semanas de violência que resultou na morte de cerca de 3.000 pessoas.