Uma base estratégica da Força Aérea indiana, em Pathankot, no estado do Punjab — no norte da Índia perto da fronteira com o Paquistão — foi atacada na madrugada deste sábado por cinco homens armados, que entraram na instalação vestidos com uniformes de soldados indianos. As forças indianas apoiadas por tanques e helicópteros conseguiram retomar o controlo da base estratégica após 15 horas de combate com os atacantes, refere a agência Reuters.

De acordo com o The Indian Express, oito pessoas, incluindo os cinco terroristas, foram mortas durante ataque. Uma das vítimas confirmadas é o ex-atirador medalhado, o major Fateh Singh, que ganhou ouro e prata no 1º Campeonato de Tiro da Commonwealth em 1995, noticia o The Indian Express.

Até ao momento o ataque não foi renvindicado e Nova Delhi afirmou que ainda não está claro quem eram os atacantes. Mas alguns funcionários de segurança da Índia sugerem que o grupo militante islâmico Jaish-e-Mohammed pode estar por trás do assalto.O grupo islâmico radical, também conhecido por Exército de Maomé, luta pela independência da Caxemira. A Índia reclama que o grupo é apoiado pelo Paquistão, mas Islamabad nega.

O assalto acontece uma semana depois da visita do primeiro-ministro Narendra Modi ao homólogo paquistanês Nawaz Sharif. Índia e Paquistão — duas potências nucleares — retomavam os esforços ressuscitar as negociações bilaterais sobre a região de Caxemira. O estado do Punjab está em alerta e os soldados continuam as buscas no perímetro da base aérea, à procura de mais presumíveis atacantes.

“Nós queremos a paz, mas se os terroristas realizam ataques em solo indiano vamos dar-lhes a resposta adequada”, disse o ministro do Interior indiano, Rajnath Singh, citado pela BBC.

O Paquistão condenou o ataque e chamou-lhe um “incidente terrorista”, acrescentando que continua comprometido com os esforços de paz com a Índia.