Abandonar um estúdio em directo é uma decisão de força. Mas ameaça perdê-la pelo facto de começar a tornar-se banal. A propósito da atitude de Cândido Ferreira, que em pleno debate com os restantes candidatos à Presidênca da República tomou a opção de protestar saindo do estúdio, o Observador recorda outras situações semelhantes.

Manuela Moura Guedes, no “Barca do Inferno”: “Já chega, é inacreditável o que aqui se passa”.

Pedro Santana Lopes, na SIC Notícias: “José Mourinho é muito mais importante do que qualquer um de nós”.

Dias Ferreira, em “O Dia Seguinte”: “Eu não gosto de si”.

Eduardo Barroso, no “Prolongamento”. Fica a fotografia porque o vídeo não está disponível.

img_757x426$2015_10_13_14_25_06_489252_im_635803432325481176

Rui Moreira, no “Trio de Ataque”: “Estás a fazer um auto de fé”.

Pedro Rolo Duarte, na Bola TV: “Eu não sei, eu fui-me embora”. Tanga. Foi só uma ameaça.