Uma presidente de câmara foi assasinada, no México, menos de 24 horas após ter tomado posse do cargo. O atentado registou-se neste sábado, em Temixco, cidade localizada no estado de Morelos, a sul da Cidade do México, capital do país.

Um grupo de atiradores abriu fogo sobre Gisela Mota, 33 anos, junto à sua habitação, atingindo, também, duas outras pessoas. Dois dos elementos foram abatidos pelas autoridades policiais e dois outros foram detidos após uma perseguição, de acordo com o comissário de segurança Jesus Alberto Capella. Esta fonte acrescentou que os atiradores dispararam sobre as forças da polícia e do exército que lhes moveram a perseguição.

O governador de Morelos atribuiu o ataque a elementos ligados ao crime organizado e ao tráfico de droga, problemas que Gisela Mota, eleita pelo Partido da Revolução Democrática, de centro-esquerda, tinha prometido combater. O partido emitiu um comunicado em que qualifica a militante, antigo membro do Congresso mexicano que tomou posse como autarca a 1 de janeiro de 2016, como “uma mulher forte e corajosa que, ao tomar posse, declarou que a luta contra o crime seria frontal e direta”.

Temixco tem cem mil habitantes e situa-se 12 quilómetros a sul de Cuernavaca, capital do estado de Morelos, um centro industrial onde têm sido registados raptos e crimes de extorsão, que estão relacionados com grupos de crime organizado, e que lhe valeu já ter superado Acapulco na lista dos centros urbanos mais violentos do país.

Os atentados a responsáveis autárquicos têm-se multiplicado no México. Em março de 2015, o corpo da candidata à câmara de Oxtotilan, Aidé Nava Gonzàlez, foi encontrado nos arredores da cidade. O cadáver estava decapitado e, no lençol que o cobria, estava inscrita a expressão “narcomanta”, mensagem típica dos gangues que se dedicam ao tráfico de droga.

O marido de Aidé Gonzàlez, antigo autarca, já tinha sido assassinado e o filho de ambos tinha sido raptado em 2014. Nunca foi encontrado. Também o presidente da câmara de Jerecuaro foi morto em Guanajaro em junho do ano passado.