A primeira etapa do Rali Dakar foi hoje adiada devido às más condições meteorológicas na Argentina, que impediram a deslocação do dispositivo de segurança para a região da tirada, anunciou o diretor da prova, Etienne Lavigne.

Com mais de 600 quilómetros, 227 dos quais de troço cronometrado para as motos e 258 para os carros, a primeira etapa do rali todo-o-terreno previa ligar Rosario a Villa Carlos Paz e as pistas que deveriam ser percorridas, este domingo, pelos pilotos ficaram inundadas pelas tempestades e fortes chuvas naquela região.

“O Dakar não para quando chove, mas sim quando não se pode garantir o dispositivo de segurança habitual. As condições meteorológicas são muito más. O avião [que assegura as comunicações via rádio] não pode voar, os helicópteros não podem descolar e a situação não vai melhorar”, disse Etienne Lavigne, em declarações à AFP.

A partida do troço cronometrado, prevista para as 7h00 locais, foi inicialmente atrasada devido ao mau tempo, que obrigou mesmo o helicóptero da direção a pousar a cerca de 60 quilómetros do local. A organização aguardava uma melhoria das condições ao final da manhã, mas acabou por cancelar a etapa, pelo que a caravana vai ser redirecionada para Córdoba, através de um percurso alternativo de ligação.

A 38.ª edição do mais prestigiado rali todo-o-terreno iniciou-se no sábado, com um prólogo de 11 quilómetros em Buenos Aires, onde o português Ruben Faria (Husqvarna) foi o mais rápido nas motas, a par do espanhol Joan Barreda (Honda). A competição de automóveis foi interrompida devido a um acidente com a piloto chinesa Guo Meiling (Mini), que provocou 10 feridos, dos quais dois em estado grave.