Uma sondagem revela que a maioria dos catalães (56,3%) apoia a realização de novas eleições em março e, se assim fosse, o presidente em funções, Artur Mas, não conseguiria maioria absoluta para governar (68 deputados).

Estas são as conclusões da sondagem da NC Report, publicada na edição deste domingo do La Razón, no mesmo dia em que a CUP (Candidatura de Unidade Popular) decide se dará o seu apoio ao Mas, de modo a ser indigitado presidente da Generalitat (governo da Catalunha), ou o rejeita e precipita eleições na Catalunha.

A sondagem foi realizada entre 28 e 31 de dezembro de 2015, a partir de 1.255 entrevistas telefónicas em 53 municípios catalães, que revelaram que mais de metade dos entrevistados (58,2%) considera que a CUP não deve apoiar o Mas, e que 77% pensa que os três meses de “desgoverno” estão a prejudicar a Catalunha.

O inquérito indica também que, desde que se realizaram as eleições catalãs (a 27 de setembro de 2015) até ao final do ano, o Junts Pel Sí perdeu apoios, o que se traduziria, em caso de novas eleições, em seis lugares a menos (passaria dos atuais 62 para 56), e que a CUP deixaria um deputado para trás, passando dos atuais 11 para dez.

Por outro lado, os Ciudadanos continuariam a liderar a oposição e ganharia, até, quatro deputados em hipotéticas novas eleições, enquanto o PSC e o PP perderiam um lugar cada.

Catalunya Si Que Es Pot (CSP) iria manter-se como quarta força parlamentar na Catalunha e ganharia um assento.

A novidade seria que o Unió, que não obteve representação parlamentar nas eleições de setembro de 2015, estaria presente numa nova câmara, com dois deputados.

Em relação ao sentimento independentista catalão, a sondagem da NC Report indica que quase metade dos entrevistados (49,7%) não quer uma separação da Espanha, frente aos 44,1% que estariam a favor.