Censura

Na Rússia há censura nos livros para crianças

Na Rússia, uma história sobre animais da floresta e um detetive pode incitar à violência e ao alcool. Porquê? Porque há um ratinho que morre e uma bebida chamada Mothitos, feita com borboletas.

RAMZI HAIDAR/AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Marques Rodrigues

Na Rússia há leis rigorosas sobre o conteúdo dos livros infantis. É uma escritora que conta a sua própria experiência de “censura” ao The Guardian. Anna Starobinets preparava-se para lançar uma coleção de livros chamada “Beastly Crime Chronicles” cujo enredo girava à volta das aventuras de um detetive com animais da floresta. Mas houve vários pormenores que estavam “fora da lei”.

Uma editora ficou interessada em publicar a primeira história de três, chamada Inside the Wolf’s Den. Mas antes a história teve de passar pelo crivo da censura. E não ficou bem cotada. Tudo por causa de uma nova lei russa sobre as histórias infantis que visa “proteger as crianças de qualquer informação que possa ameaçar a saúde e o desenvolvimento”. É expressamente proibido difundir conteúdo infantil que alicie as crianças “para o uso de drogas, tabaco e álcool; que tolere ou apoie violência ou cenários de brutalidade e que vá contra os valores de família”.

Problema: a história de Anna Starobinets incluía a morte de um rato e uma bebida inventada pela autora — os Mothitos, uma espécie de mojitos, mas feitos com mariposas (uma espécie de borboletas). O editor que recebeu o texto ficou apreensivo e, para facilitar a publicação, “contratou um ilustrador que desenhasse tudo num ambiente fofinho”, ao contrário do estilo negro desejado pela autora, explica a própria ao jornal. Decidiu ainda mudar o público-alvo dos 8 anos para os 14 anos e mais.

A censura aos livros infantis não é novidade. Em junho do ano passado, um livro sobre dois pinguins que estavam juntos e deram origem a um pinguim bebé foi censurado numa escola de Itália e em vários pontos dos Estados Unidos. “E o tango faz três” faz parte da lista dos 25 livros mais censurados nos últimos 25 anos da Bustle.

pinguim tango

Capa do livro polémico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Censura

Os caça-fantasmas /premium

Helena Matos
3.515

Portugal não tem fascistas que cheguem para encher uma pequena praça ou até a Rua da Betesga mas tem cada vez mais dependentes do fascismo. São eles os caça-fascistas, a versão lusa dos caça-fantasmas

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)