A votação para a Palavra do Ano 2015, que é hoje conhecida, era liderada pelos vocábulos “refugiado” e “terrorismo”, no final de dezembro, “seguidos de perto por ‘acolhimento’ e ‘esquerda'”, de acordo com o grupo Porto Editora.

A meio da tabela, no quinto posto, na contabilização feita a 28 de dezembro, estava a palavra “drone”, seguida por “plafonamento” e “bastão de selfie”. Os vocábulos “festivaleiro”, “privatização” e “superalimento” ocupavam os últimos lugares da votação, segundo a mesma fonte.

A votação terminou no passado dia 31 de dezembro e o resultado é conhecido hoje, pelas 11:00, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures, nos arredores de Lisboa.

A eleição da Palavra do Ano é uma iniciativa da Porto Editora, que se iniciou em 2009, tendo vencido a primeira edição a palavra “esmiuçar”.

Em 2010 venceu “vuvuzela” e, em 2011, “austeridade”. Em 2012, a palavra escolhida foi “entroikado” e, em 2013, “bombeiro”. No ano passado, a palavra eleita foi “corrupção”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR