Rádio Observador

Marinha

Fuzileiros desaparecidos já foram encontrados

250

As buscas efetuadas esta terça-feira permitiram encontrar os dois alunos do curso fuzileiros da Marinha que se tinham perdido durante um exercício de orientação, que teve inicio no domingo à noite.

Manuel Almeida/LUSA

Os dois alunos do curso de fuzileiros da Marinha que se perderam durante um exercício de orientação, que teve início no domingo à tarde, foram encontrados esta terça-feira, como confirmou ao Observador o porta-voz da Marinha, comandante Paulo Vicente. O reforço de militares no terreno permitiu encontrar os jovens que se encontravam bem.

Encontram-se bem, já foram alimentados, agasalhados e estão a caminho da Base dos Fuzileiros, onde serão vistos pelo serviço de saúde”, informou o comandante Paulo Vicente.

Domingo era “o primeiro dia de formação desta força especial”, disse o porta-voz da Marinha. A formação dos fuzileiros tem um período de 25 dias, equivalente à recruta militar, com o objetivo de fazer a transição da vida civil para a vida militar. Neste período os cadetes são sujeitos a provas físicas e de orientação, aprendem a marchar e a usar armas, e são estimulados para o trabalho em equipa, explicou o comandante Paulo Vicente. Depois dos 25 dias, segue-se um período de treino específico de seis meses.

No final do dia de domingo, dez cadetes do curso de oficiais fuzileiros do regime de contrato foram levados com vendas e largados na Lagoa de Albufeira, Sesimbra, com o objetivo de chegarem à Base dos Fuzileiros, em Coina, concelho do Barreiro. O exercício tinha como objetivo testar a orientação dos futuros oficiais fuzileiros, mas a não-conclusão da prova não vai prejudicar a formação dos dois jovens, garantiu o porta-voz da Marinha.

Os cadetes foram deixados em locais distintos – todos em zonas inóspitas com muita vegetação – e aos pares, para que se pudessem socorrer um ao outro, caso fosse necessário. Apesar de se tratar de um prova de orientação e de terem como objetivo chegar à Base, os cadetes não levavam bússola, mapas ou GPS, não podiam contactar as populações e não podiam ser vistos – muito menos pelos instrutores que estavam no terreno a delimitar a área da prova.

Levavam apenas o fato de exercício e três contactos de emergência, para usarem em caso de perigo. Apesar de perdidos, os dois jovens, na casa dos 20 anos, não sentiram necessidade de recorrer a estes contactos, confirmou o comandante Paulo Vicente. O frio e a chuva que se fizeram sentir não poderão ser um problema para estes cadetes que se prepararam para integrar uma força especial, lembra o oficial. Até ao final da formação as provas vão ser bem mais duras do que esta.

“Normalmente a prova dura 12 a 24 horas”, disse o porta-voz da Marinha. E a primeira equipa conseguiu chegar ao fim de 12 horas. Mas não é a primeira vez que os alunos demoraram bem mais tempo a completar a prova. “Até ao momento não há registo de nada que tenha corrido mal, não houve nada fatal. Se tivesse acontecido [algo do género] deixava de ser fazer a prova”, garantiu o comandante Paulo Vicente.

O oficial disse que a situação só tomou esta dimensão mediática depois de contactarem a família dos jovens e informarem a GNR da situação. A Guarda Nacional Republicana disse ao Observador que tinha sido informada da situação, mas que não estava a participar nas buscas porque os Fuzileiros têm meios e efetivos suficientes para este tipo de buscas e melhor conhecimento do terreno.

Atualizado às 19h15.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)