Membros do clero muçulmano na Indonésia e Malásia decidiram adotar uma atitude mais dura em relação aos caçadores furtivos que colocam em causa a sobrevivência de espécies que estão em vias de extinção. De acordo com o Global Post, declararam ser “pecado” a caça aos animais que podem vir a desaparecer da face do planeta, decisão que foi tomada, em primeiro lugar, na Indonésia, em 2014, e que foi agora seguida na Malásia.

O anúncio foi feito pelos líderes religiosos da província de Terengganu, que tomaram posição contra a caça ilegal ao lançarem uma fatwa sobre quem a pratica. Os países do Sudeste Asiático dispõem de uma enorme biodiversidade. No entanto, está ameaçada pelo facto de haver uma pressão da procura de partes dos corpos dos animais alvo de caça para produzir medicamentos tradicionais, bem como o interesse em serem adotados como animais de estimação exóticos, como alimento e troféus, situações que são facilitadas pela fraca aplicação da legislação que protege as espécies em causa.

“A religião é uma arma poderosa”, disse Gopalasamy Reuben Clements, cientista que esteve envolvido no processo de emissão da fatwa. “A ideia não é a de criar uma nova lei, mas a de reforçar a lei civil que estatui contra a caça furtiva”, adiantou, explicando que o objetivo não é o de “mudar a cultura de um dia para o seguinte”, mas o de manter a “esperança” de que a decisão venha a “ajudar a aumentar a pressão” para desincentivar as práticas que agora se tenta combater, já que as multas e penas de prisão não são suficientes para as extinguir.

A decisão das autoridades religiosas não tem força legal, mas alimenta a expectativa de que os crentes venham a assumir um comportamento diferente. Gopalasamy Reuben Clements afirmou que os clérigos islâmicos podem desempenhar um “papel importante” no aumento da atenção pública para este problema numa província da Malásia em que 95% da população segue o Islão. Os promotores da iniciativa esperam que a fatwa possa estender-se a todo o território da Malásia, tal como já sucede na Indonésia.

A Malásia é reconhecida como um dos 12 países do Mundo com a mais ampla biodiversidade e algumas das espécies existem em enorme variedade, com 1.500 variedades de animais vertebrados terrestres, por exemplo, de acordo com a World Wildlife. Muitas destas espécies estão ameaçadas, nomeadamente 14% dos mamíferos existentes no país.