Mundo

Arábia Saudita e Irão. Uma tensão que é muito mais do que uma guerra religiosa

A execução do xeique Nimr al-Nimr reacendeu a tensão entre as duas potências, pólos do sunismo e do xiismo. Ao Observador, um especialista diz que a religião não é crucial. É tudo geopolítica.

O xeique Nimr al-Nimr foi executado na Arábia Saudita a 2 de janeiro e desde então a tensão com o Irão atingiu um novo pico

ATTA KENARE/AFP/Getty Images

Quando convocou a imprensa para anunciar que a Arábia Saudita tinha executado 47 pessoas condenadas por “terrorismo” e outras ações subversivas, o ministro do Interior do reino começou por citar o corão. “Alá diz no Corão Sagrado que ‘em breve, os injustos atacantes conhecerão as vicissitudes que as suas ações lhes trazem.”

Não se tratou de uma execução de somenos — foi até a maior desde 1980, quando 63 pessoas foram decapitadas depois de tentarem invadir e tomar controlo da Grande Mesquita, em Meca. Mas o que acabou por ser mais relevante, trazendo à superfície o conflito mais duradouro do mundo islâmico, foi o facto de entre aqueles 47 nomes estar o do xeique Nimr al-Nimr.

O xeique Nimr al-Nimr era conhecido como a cara da contestação dos xiitas na Arábia Saudita que, além de viverem em minoria, são sujeitos a discriminação imposta pela maioria sunita. Esta dicotomia arrasta-se no mundo islâmico desde o século VII, quando Maomé morreu. Sem indicações claras de quem é que deveria suceder-lhe como líder espiritual, o mundo islâmico dividiu-se em duas fações: sunitas e xiitas.

20150689_1200x300_acf_cropped-1

O xeique Nimr al-Nimr foi condenado à morte em outubro 2014. O timing da execução, mais de um ano depois, “não é por acaso”, diz um especialista ao Observador

Atualmente, esta dicotomia concentra-se em dois pólos que, com condicionantes forçosamente diferentes daquelas que eram próprias do século VII, ainda hoje competem entre si: a Arábia Saudita (sunita) e o Irão (xiita). Não representou, por isso, uma surpresa que o Irão tivesse estado na primeira linha da condenação da execução de Nimr al-Nimr. Mais do que acusatório, o tom era ameaçador. O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano chegou a dizer que a Arábia Saudita iria “pagar um preço elevado”. Por outro lado, Fawzi al-Zafzaf, representante da maior autoridade sunita no mundo, a universidade egípcia de Al-Azhar, disse à Al-Arabyia que “a Arábia Saudita aplicou a lei de Deus”.

Mas será que a religião é o fator determinante para este novo pico de tensão entre os dois países que competem pelo controlo do Médio Oriente?

Para Simon Mabon, autor do livro “Arábia Saudita e Irão: Poder e Rivalidade no Médio Oriente” (sem edição portuguesa, disponível aqui), não. “O que se passou no dia 2 não foi um gesto de um setor religioso contra outro”, diz ao Observador numa entrevista por telefone.

A execução do xeique Nimr al-Nimr foi feita com motivações políticas, até geopolíticas. Dizer que se trata somente de um conflito religioso é simplificar um assunto muito complexo. A religião é uma ferramenta que está a ser usada pela Arábia Saudita para propagar os seus interesses nacionais.”

A Arábia Saudita já viveu tempos mais estáveis. Como em todos os países cujas economias dependem do petróleo, a Arábia Saudita tem sentido as consequências da queda do preço do crude, tão drástica e duradoura que até o maior produtor do mundo chega a ser afetado — em setembro, o Financial Times escreveu que a Arábia Saudita tinha retirado cerca de 65 mil milhões de euros de investimentos no estrangeiro para compensar o défice público. As contas complicam-se ainda mais perante os gastos que a Arábia Saudita tem na guerra no Iémen, onde lidera uma coligação de bombardeamentos aéreos desde março de 2015. “O desemprego está a subir, a austeridade começa a ser vista como uma possibilidade bastante real, os impostos estão a aumentar”, explica Mabon.

500761228_1200x300_acf_cropped

O rei Salman assumiu o trono da Arábia Saudita em janeiro. Não demorou muito até outros membros da família real lhe pedirem que se afastasse do cargo.

Para o académico da Universidade de Lancaster, as execuções de 2 de janeiro podem ser lidas internamente como uma mensagem do rei Salman. “Ele parece querer deixar claro que está pronto a apertar o cerco a quem o possa afrontar”, explica. Além de se estender à população em geral, a missiva também tem como destinatários vários membros da família real saudita. “Há um grande risco para ele dentro da própria família real. Há muitas pessoas a acotovelarem-se para chegarem ao poder e alguns têm pressa disso.”

Em setembro, um príncipe da dinastia Saudi disse ao The Guardian que tinham sido escritas duas cartas a pedir a demissão do rei Salman. “Quatro, possivelmente cinco, dos meus tios irão em breve discutir as cartas. Eles estão a elaborar um plano com vários sobrinhos e isso vai abrir a porta [à demissão do Rei]. Há muita gente na segunda geração que está muito ansiosa”, disse àquele jornal britânico. As cartas incluíam alegações de que o rei Salman, de 80 anos, estaria senil.

“Tem havido, ao longo de 70 anos, uma especulação inútil e completamente errada que andava à volta da ideia de que os Saudis estavam instáveis”, disse o antigo embaixador dos EUA na Arábia Saudita, Charles Freeman, à revista Time. “Esta pode ser a primeira vez em que isso acontece.”

Enquanto isto, o acordo nuclear que o Irão firmou em abril com vários países e entidades, entre eles os Estados Unidos e a Europa, permitiu que Teerão reclamasse uma nova reputação entre os vários países do Médio Oriente. “Isto é uma coisa que não agrada de todo à Arábia Saudita, que tem um receio enorme de que o Irão se aproxime cada vez mais do Ocidente”, diz Mabon, que estuda as tensões entre estes dois países há oito anos.

Iranian President Hassan Rouhani speaks during a press conference in Tehran on April 3, 2015. Iran vowed to stand by a nuclear deal with world powers as Rouhani promised it would open a "new page" in the country's global ties. AFP PHOTO/ATTA KENARE (Photo credit should read ATTA KENARE/AFP/Getty Images)

O acordo nuclear do Irão demonstrou que o Ocidente também pode dialogar com Teerão — uma realidade que não agrada à Arábia Saudita

Nimr al-Nimr estava condenado à morte desde 2014. Neste caso, porque é que só foi executado agora? Para Mabon, o timing “não é por acaso”. “A Arábia Saudita está a provocar o Irão, quase como se esperasse que Teerão fizesse algo inesperado ou até estúpido”, diz, argumentando que em parte isso já aconteceu: “As imagens daquelas pessoas todas terem ido para a frente de embaixadas da Arábia Saudita nalguns países da região queimar bandeiras foi a desculpa perfeita para cortarem relações diplomáticas com o Irão”.

Assim, mais do que um mero capítulo na conturbada relação entre sunitas e xiitas no Médio Oriente, Mabon entende que a Arábia Saudita pretendeu enviar uma “mensagem cuidadosamente construída que deve ser digerida a nível interno, regional e internacional”.

É uma demonstração de força do rei Salman dirigida a várias audiências. Na Arábia Saudita querem sublinhar todo o poder que têm, tanto para os xiitas da zona Este do país como para membros da família real que desafiam o poder do rei. Na região do golfo, querem também afirmar a sua preponderância, afirmando que não serão as reações que têm vindo à tona que vão abalar o seu controlo naquela parte do mundo. E a nível internacional querem prejudicar o Irão e fazer crer ao Ocidente que nada pode ser feito naquela região sem a Arábia Saudita ser consultada.”

O reacender do confronto entre a Arábia Saudita e o Irão não é apenas uma má notícia para a diplomacia naquela região. Acima de tudo, é uma má notícia para a Síria e para o Iémen, onde aquelas duas potências estão envolvidas naquilo que pode ser chamado de uma “guerra por procuração”.

In a picture released on January 20, 2014, Syrian President Bashar al-Assad speaks during an interview with AFP at the presidential palace in Damascus on the weekend. The Syrian president told AFP in an exclusive interview, days before the beginning of the Geneva II peace talks, that he expected his country's bloody conflict to drag on, describing it as a "fight against terrorism" and rejecting any distinction between opposition fighters and radical jihadists. AFP PHOTO/JOSEPH EID -- EDITORS NOTE: The Syrian presidency media office reviewed this series of pictures (Photo credit should read JOSEPH EID/AFP/Getty Images)

Bashar al-Assad, o ditador da Síria que trava uma guerra civil desde 2011, tem contado com apoio militar do Irão. Por outro lado, a Arábia Saudita financia vários grupos rebeldes e islamistas que se opõem ao regime.

O conflito no Iémen, onde rebeldes hutis (xiitas) e forças leais ao Presidente Mansur Haidi (sunita) disputam o controlo do país — o Irão tem sido acusado de apoiar os primeiros, embora o negue. Por outro lado, a Arábia Saudita lidera uma coligação militar naquela região (para a qual também conta com apoio dos EUA) de ataque aos rebeldes.

Na Síria, os desafios começaram a chegar aos pés do ditador Bashar al-Assad (xiita) quando a Primavera Árabe começou a alastrar-se ao país. Desde cedo, as manifestações onde a demissão de Assad era pedida, a par de mais democracia, foram brutalmente reprimidas pelas autoridades, incluindo o exército. O país caiu, depois, para uma sangrenta guerra civil. De um lado, Assad. Do outro, vários grupos armados e, entre estes, alguns sunitas que, por sua vez, contavam entre si grupos extremistas e islamistas — sendo o Estado Islâmico o mais significativo destes últimos.

Neste xadrez, o Irão (a par da Rússia) apoiou Assad, parceiro de longa data naquela região, nomeadamente com ajuda militar. E a Arábia Saudita, aproveitando-se da situação trágica na Síria, viu uma oportunidade para conseguir expandir o seu poder até Damasco. “Ao princípio, era a oportunidade perfeita para a Arábia Saudita tirar a Síria da esfera de influência do Irão”, explica Mabon.

Agora, o recrudescer das tensões entre a Arábia Saudita e o Irão, podem atrapalhar ainda mais a já improvável resolução destes dois conflitos, sobretudo o que levou a que milhões de sírios fugissem do próprio país. “As posições que se estão a tomar são cada vez mais irreconciliáveis. E se até agora tem sido muito difícil sentar toda a gente à mesma mesa, agora pode tornar-se impossível.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)