É a versão moderna do “espelho meu, espelho meu: haverá alguém mais belo do que eu?”. Há uma nova aplicação que se baseou em dois estudos científicos para desenvolver três funcionalidades: determinar a idade do utilizador, medir o seu nível de atração física e depois levá-lo a conhecer as pessoas mais apropriadas às suas características. Chama-se Blinq e pode ser testado aqui.

Rasmus Rothe (estudante no doutoramento de visão computacional e diretor da HackZurich), Radu Timofte (investigador na ETH Zurich) e Luc van Gool (professor também na ETH Zurich) são os homens por detrás da startup que está à procura de novos investimentos para poder crescer. Se entrar no site tem duas hipóteses: carregar uma fotografia sua e descobrir o seu nível de atração física – que pode ir de “Hmm..” até “Godlike” – e saber que idade é que a aplicação lhe dá; ou então experimentar com uma das fotografias que a empresa disponibiliza para fazer a experiência. Logo abaixo tem dois botões que o reencaminham para as lojas da aplicação.

Quanto aos estudos em que se baseou a app, os dois foram feitos pela Universidade de Zurique. Um deles – Some like it hot – Visual guidance for preference prediction – estuda a real importância que as pessoas dão ao aspeto físico de outra pessoa e a influência dessa avaliação para o investimento numa relação com essa pessoa. Os resultados sugerem que 76% dos ratings estão corretos com base exclusivamente na imagem. O outro – DEX: Deep EXpectation of apparent age from a single image – estuda a avaliação que se faz da idade através de uma imagem e para este estudo foram utilizadas as imagens de 115 pessoas.

Conforma explicam os autores do Blinq, esta aplicação espera ser mais eficiente que as outras funcionalidades para encontros: “Nós não vemos um futuro onde toda a gente gaste tanto tempo assim no telemóvel. Não é possível. Haverá algum tipo de contramovimento. Por isso as aplicações têm de se tornar mais inteligentes – e de facto descobrir quando é que se está disposto ou no momento certo para conhecer alguém”, dizem à Tech Crunch.

Mas a Blinq não deixa de sublinhar: o essencial é divertir-se e “não levar a aplicação demasiado a sério”.