Sondagem relativa ao mês de janeiro, três meses depois das eleições, mostra os socialistas ligeiramente à frente dos sociais-democratas, mas com os dois maiores partidos em tendência descendente. PSD é o que desce mais face à sondagem do mês anterior, seguido do CDS. Mas o PS, na frente, continua a não conseguir capitalizar a ida para o Governo. Popularidade de António Costa, no entanto, aparece em crescendo.

De acordo com o barómetro da Eurosondagem, divulgado pelo Expresso, PS e PSD estariam praticamente empatados se as eleições fossem hoje: PS com 33,3% dos votos, menos 0,4 pontos percentuais do que no mês passado, PSD com 32,1%, menos 0,9 pontos face a dezembro. O CDS, já depois do abalo do anúncio da saída de Paulo Portas, aparece com 7,5% dos votos, menos 0,5 pontos do que a sondagem anterior. Juntos, PSD e CDS teriam 39,6%, mais 6,3 pontos do que o PS, também mais 2,7 pontos do que tiveram juntos nas legislativas. Mas bem longe da maioria.

Quanto ao BE, CDU e PAN, a tendência é inversa, já que as três forças políticas aparecem a subir nas intenções de voto: BE com 10,1%, CDU com 8,5% e PAN com 1,5%.

A sondagem, que teve por base entrevistas telefónicas feitas a um total de 1016 pessoas entre 1 e 6 de janeiro, mostra ainda o primeiro-ministro António Costa a subir na popularidade. Com um saldo de popularidade de 16,4, Costa é o líder mais bem visto, seguido de Catarina Martins, com 14,6 pontos. Portas vem a seguir, com um saldo de 12,7 pontos, seguido de Jerónimo, com 6. Passos Coelho é o menos popular do leque, tendo ainda assim um saldo positivo de 4,1 pontos. Só Cavaco Silva tem a popularidade negativa, registando um saldo de -12,9.