Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

O dia oficial de campanha de Marcelo Rebelo de Sousa começou na terra de Passos Coelho. Por entre um pastel e outro, Marcelo deu o toque ao ex-primeiro-ministro: não vale a pena querer intervir na campanha e o candidato até agradece que não o faça.

“Na sua ideia não está intervir na campanha. Acho respeitável e sensato. Eu percebo que não se deve misturar a sua posição partidária com a candidatura. Acho inteligente. Tem lógica. Não é bom para ninguém, nem para o partido nem para o candidato”, disse em resposta aos jornalistas.

Marcelo lembra que não é costume os líderes do partido terem papel ativo na campanha presidencial. Na verdade, quando confrontado com a presença de Marques Mendes e Passos Coelho nas campanhas de Cavaco Silva, o candidato contornou o assunto dizendo que eles estiveram, mas não intervieram.

Mais tarde, num visita à feira gastronómica do porco de Boticas, Marcelo voltou a dispensar o apoio partidário, mas recusou que essa visão tenha alguma coisa a ver com os quatro anos de governo de Passos Coelho. “Não estou incomodado [com os últimos quatro anos], estou preocupado com o futuro”, respondeu aos jornalistas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR