O processo formal de extradição do México para os Estados Unidos da América do traficante de droga Joaquin “El Chapo” Guzmán teve início este domingo, dois dias depois de ter sido recapturado, anunciaram as autoridades mexicanas.

A Procuradoria-Geral informou, em comunicado, que os agentes da Interpol do México deslocaram-se à prisão de alta segurança de Altiplano, próxima da capital mexicana, onde se encontra “El Chapo”, para executar dois mandados de prisão com fins de extradição, o que constitui “o arranque formal dos procedimentos”.

Os juízes têm agora de emitir uma decisão e entregá-la ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, que tem de dar ‘luz verde’ a qualquer extradição.

“Tem de se ter em conta, porém, que o acusado tem a possibilidade de contestar as decisões emitidas pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros”, refere o mesmo comunicado.

Antes de “El Chapo” ter fugido da prisão de alta segurança de Altiplano em julho último, o Presidente do México, Enrique Pena Nieto, recusou enviar o narcotraficante para os Estados Unidos,

O México recebeu, no ano passado, dois pedidos dos Estados Unidos que pedem a sua extradição por uma série de acusações, incluindo tráfico de cocaína e lavagem de dinheiro.

O advogado de Joaquin “El Chapo” Guzmán já prometeu contestar a extradição.

Tido como o traficante de droga mais procurado do mundo, foi recapturado na sexta-feira, na sequência de uma operação militar em Los Machis, cidade costeira no estado mexicano de Sinaloa.

“El Chapo”, que protagonizou duas fugas da cadeia em 14 anos, regressou à prisão de alta segurança de Altiplano, de onde tinha conseguido escapar por um túnel com 1,5 quilómetros ligado a uma casa situada fora do perímetro do estabelecimento prisional.