Olá

831kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Olha o golo! Como os finalistas marcaram em 2015

Este artigo tem mais de 5 anos

Ronaldo foi quem mais golos marcou com a cabeça, nenhum dependeu mais do pé predileto que Messi e Neymar foi o finalista da Bola de Ouro que menos bolas rematou desde fora da área. Eis os números.

Os três finalistas à Bola de Ouro marcaram 154 golos durante 2015. Mais do que o Benfica e o FC Porto conseguiram juntos (160) na última edição do campeonato português
i

Os três finalistas à Bola de Ouro marcaram 154 golos durante 2015. Mais do que o Benfica e o FC Porto conseguiram juntos (160) na última edição do campeonato português

Getty Images

Os três finalistas à Bola de Ouro marcaram 154 golos durante 2015. Mais do que o Benfica e o FC Porto conseguiram juntos (160) na última edição do campeonato português

Getty Images

Há várias formas de definir Cristiano Ronaldo. Uma delas é pelas bolas que foi rematando, empurrando, desviando, o que seja, para dentro das balizas. Com ele existe um antes e um depois — no meio está o momento em que pôs na cabeça que o que desejava mesmo era ser o melhor jogador do mundo na cabeça dos outros e não apenas na sua. Ronaldo percebeu que não seria a multiplicar os pés em fintas bonitas e a driblar toda a gente que lá chegaria. Apenas o conseguiria marcando golos, muitos, tantos quanto os que saíam do corpo de um pequeno genial argentino que fazia quase tudo o resto melhor que ele. Por isso, Cristiano pôs os pés à obra.

Construiu as fundações em 2009 e, no ano seguinte, começou a erguer a construção como deve ser. Desde 2010 que não marca menos de 50 golos por temporada e já lá vão cinco épocas a ser muito mais do que um extremo colado à linha. Ronaldo tornou-se um finalizador, um viciado em golos, esfomeado por estar em posições que o ponham a jeito de os marcar. Não é preciso ser esperto para perceber onde isto vai dar e Cristiano cedo deduziu que quantas mais bolas entrassem na baliza adversária, mais hipóteses a equipa tinha de ganhar os jogos e, lá mais para a frente, conquistar títulos. Uma coisa leva à outra, ou devia levar, porque os 57 golos que o português fez durante 2015 de nada lhe valeram. Zero titoli, já dizia José Mourinho.

(Passe o cursor do rato por cima dos pontos do corpo assinalados na imagem para ver a informação.)

A altura, impulsão e apetência para dar uso à parte mais pesada do corpo fez de Ronaldo o homem que mais bolas redirecionou para a baliza com a cabeça (18). Neymar, talvez por ser o que mais à vontade e hábito tem para tocar na redonda de pé esquerdo, foi quem mais golos meteu com a canhota (12) — e quem menos marcou a rematar desde fora da área. Já o pequenote Messi foi o jogador que mais golos inventou com o pé que mais lhe convém (39, com o esquerdo, já agora).

Mas o problema para Cristiano é outro: Messi e Neymar fecharam o ano com cinco títulos conquistados no Barcelona. São esses canecos que devem anular a supremacia que Ronaldo teve nos golos.

Os 57 golos de Cristiano Ronaldo
Dentro da área: 51
Penálti: 11
Fora da área: 6
Livre: 3

Os 52 golos de Lionel Messi em 2015
Dentro da área: 46
Penálti: 9
Fora da área: 6
Livre: 4

Os 45 golos de Neymar em 2015
Dentro da área: 42
Penálti: 6
Fora da área: 3
Livre: 2

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada