505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

"Só por seres branca, vencerás". Empresa promove cosméticos com mensagem racista

Este artigo tem mais de 5 anos

Uma empresa tailandesa escureceu a pele de uma modelo para publicitar um produto de clareamento da tez. O slogan afirma que basta ter a pele branca para se ter sucesso, uma mensagem polémica.

i

Captura de ecrã de vídeo da CNN (Seoul Secret via Youtube)

Captura de ecrã de vídeo da CNN (Seoul Secret via Youtube)

Uma empresa de nutri-cosmética tailandesa está a dar que falar nas redes sociais pelas piores razões. O último slogan publicitário da marca Seoul Secret Thailand afirma que basta ser branca para se ter sucesso, o que está a gerar polémica na Internet um pouco por todo o mundo, em especial no seu país, refere a CNN.

“Só por seres branca, vencerás” (“Just being white, you will win“), diz Cris Horwang — uma atriz e modelo tailandesa que promove o suplemento de nutri-cosmética, Snowz que alegadamente contribuiu para o clareamento da pele — no vídeo promocional.

https://www.youtube.com/watch?v=wDx5e8OiejI

Na Tailândia e noutros países da Ásia, a tez clara é um dos requisitos da beleza feminina e é associada a um estatuto social elevado. O tom de pele claro é de tal forma desejado que os produtos de clareamento da pele são dos itens de beleza mais consumidos pelas mulheres asiáticas e indianas, escreve o The Guardian.

O jornal britânico afirma ainda que estes produtos reforçam a ideia de que atingir um tom de pele claro é não só possível, como preferível a tons de pele mais escuros. A pele bronzeada, que noutros países é desejada e valorizada como sinal de beleza, é evitada na Ásia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O anúncio publicado no YouTube apela ao consumo do produto porque, diz a atriz e modelo, sem ele, “a brancura em que investi tende a desaparecer”. No vídeo, a imagem da modelo aparece digitalmente trabalhada e o tom de pele vai escurecendo até ficar com a pele negra, à medida que a sua expressão fica mais triste.

Os críticos ao anúncio publicitário acusam a empresa de racismo, dizendo que o mesmo reforça o estereótipo de uma suposta superioridade da cor de pele branca.

Face às críticas, a empresa retirou o vídeo do seu canal oficial do YouTube e publicou um comunicado na sua página do Facebook onde pede desculpas e afirma que não teve “qualquer intenção de transmitir mensagens discriminatórias ou racistas.”

ประกาศตามที่มีกระแสเรื่องคลิปโฆษณาผลิตภัณฑ์อาหารเสริม สโนว์ซ กลูตา ที่มีคุณคริส หอวังเป็นพรีเซ็นเตอร์นั้น ทางแบรนด์...

Posted by Seoul Secret Thailand on Friday, January 8, 2016

Em relação ao polémico vídeo do SnowZ Gluta protagonizado por Cris Horwang, a Seoul Secret, como legítima proprietária do clipe de vídeo gostaria de pedir desculpas pelo erro, e reivindicar plena responsabilidade por este incidente. A nossa empresa não tem qualquer intenção de transmitir mensagens discriminatórias ou racistas. O que pretendia transmitir era a mensagem de que o auto-aperfeiçoamento em termos de personalidade, aparência, competências e profissionalismo é crucial. No entanto, gostaríamos de expressar um sincero pedido de desculpas e agradecer a todos pelos comentários. Já removemos o clipe de vídeo, os anúncios relacionados, e outros materiais planeados, como forma de assumir a nossa responsabilidade por este incidente.

Loja Observador Lifestyle

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.