Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A minha canção favorita de David Bowie? Eles escolheram estas

Este artigo tem mais de 5 anos

David Bowie influenciou muitos artistas, de vários géneros da música. Ao jornal The Guardian, alguns músicos (do metal, ao folk) elegem o seu tema preferido do inglês.

i

Express Newspapers/Getty Images

Express Newspapers/Getty Images

David Bowie influenciou músicos de todas as áreas: do metal ao folk, do synthpop ao britpop. Ao jornal The Guardian, vários músicos contemporâneos elegem o seu tema preferido do músico inglês, homenageando-o dessa forma. Entre eles estão Florence Welch (líder dos Florence and the Machine), Elly Jackson (vocalista dos La Roux), Marianne Faithfull, Graham Coxon (guitarrista dos Blur) e Corey Taylor (vocalista dos Slipknot). Estas são as suas escolhas:

Florence Welch

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - SEPTEMBER 14: Florence Welch of Florence and the Machine performs on stage during a concert in the Rock in Rio Festival on September 14, 2013 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)

Buda Mendes/Getty Images

A líder dos Florence and the Machine – que atuam em Portugal em abril deste ano – diz que a escolha não é fácil, mas opta por “Young Americans” (tema do álbum com o mesmo título, de 1975).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É difícil escolher a minha canção favorita do Bowie porque todas influenciam bastante a minha vida. [Mas] algo em “Young Americans” teve um grande impacto em mim, na minha adolescência: descobri-a quando comecei a interessar-me pela música, por festas e por rapazes, e tinha este lado estiloso, confiante, com soul. (…) Ele tem imensa atitude na forma como canta os versos. (…) Esta canção fez-me sentir livre enquanto adolescente, como se me tivesse dado a chave para um mundo alternativo, que estava para além da escola ou de casa. Eletrificou-me”.

Graham Coxon

graham_coxon_by_iraand-d5depmp

O guitarrista da icónica banda inglesa dos anos 1990, Blur, escolhe um outro tema do “camaleão” da pop: “Ashes to ashed”, incluído no álbum Scary Monsters (And Super Creeps), de 1980. Na data em que o single saiu, Graham Coxon tinha 11 anos: mas a memória dessa audição ficou-lhe para sempre e, diz, continua a arrepiá-lo.

[Nessa altura] a “Ashes to Ashes” estava nos tops, juntamente com a “Start!”, dos The Jam, e essas foram as duas canções que causaram uma enorme impressão em mim. Elas são muito diferentes – a dos Jam era fácil lá chegar, através dos Beatles, mas a “Ashes to Ashes” era muito menos familiar ao meu ouvido. Fez algo de semelhante ao meu cérebro, contudo – tal como a “Tomorrow Never Knows” [canção dos Beatles] fez quando eu tinha quatro ou cinco anos. Adorei o som da canção. As letras vagas que uma criança de 11 anos não conseguiria desvendar – aborda os vícios, a natureza horrífica destes, em vez da maneira oposta como a ideologia rock andn roll normalmente os celebra. (…) A minha reação à ressonância das letras em “Ashes to Ashes” – I never done good things / I never done bad things – despertam-me e arrepiam-me cada vez que as oiço.

Marianne Faithfull

English singer Marianne Faithfull releases her new album 'Faithless', March 1978. (Photo by Evening Standard/Hulton Archive/Getty Images)

Evening Standard/Hulton Archive/Getty Images

A cantora e compositora britânica Marianne Faithfull, que tem uma carreira que se iniciou há já cinco décadas, escolhe um dos temas mais conhecidos de Mr. Bowie: “Heroes”, single do álbum com o mesmo o nome, editado em 1977. O álbum não é o favorito de Marianne Faithfull: esse é Young Americans, de 1975. A inglesa explica a escolha:

O disco mais sofisticado que ele [David Bowie] fez foi o Young Americans. Mas acho que a “Heroes” é realmente a sua grande canção, porque faz as pessoas sentirem-se melhores, sentirem-se bem. We can be heroes, just for one day – é um sentimento maravilhoso. Ele (…) era muito generoso com o seu trabalho. O lado negro é muito mais fácil; dar realmente às pessoas coisas que as façam sentirem-se felizes é muito difícil e fazê-lo de uma maneira artística realmente bonita é ainda mais difícil. (…) Eu aprendi bastante com ele a escrever canções – e a não ir para Berlim e a não usar cocaína nem heroína. (…) Não vejo a sua morte como sendo assim tão terrível, honestamente. É terrível para todos os outros — mas olhem para o que ele deixou para trás, o quanto ele deu [ao mundo].

Corey Taylor

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - SEPTEMBER 25: Corey Taylor from Slipknot performs at 2015 Rock in Rio on September 25, 2015 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Raphael Dias/Getty Images) *** Local Caption *** Corey Taylor

Raphael Dias/Getty Images

Quem diria que Corey Taylor, vocalista e letrista dos Slipknot, é fã de David Bowie? É difícil encontrar uma influência direta do camaleão da pop na música do grupo norte-americano: mas que este se assume fã de Bowie, isso assume. “Eu adorei tudo o que ele fez, mas essas duas canções são realmente as minhas favoritas”, falando de “Ashes to Ashes” e de “Fashion” — ambas do álbum Scary Monsters (And Super Creeps), de 1980.

https://www.youtube.com/watch?v=GA27aQZCQMk

Não consigo escolher que canção do Bowie mais gosto, mas é definitivamente uma das duas, entre a “Ashes to Ashes” e a “Fashion”. São ambas muito negras e fantásticas à sua maneira. Adorei tudo o que ele fez, mas essas duas canções são definitivamente as minhas preferidas. Não há maneira de resumir o David Bowie em uma mão cheia de frases – o homem merece o seu próprio volume de enciclopédias. Ele é e sempre será um dos meus favoritos e espero apenas poder chegar perto daquilo que ele atingiu.

La Roux

GLASTONBURY, ENGLAND - JUNE 25: La Roux performs live on the Other Stage during Day 2 of the Glastonbury Festival on June 25, 2010 in Glastonbury, England. This year sees the 40th anniversary of the festival which was started by a dairy farmer, Michael Evis in 1970 and has grown into the largest music festival in Europe. (Photo by Ian Gavan/Getty Images)

Ian Gavan/Getty Images

A cantora Elly Jackson, líder do projeto de synthpop britânico La Roux, também falou ao jornal britânico sobre a sua canção favorita de David Bowie: escolheu “Fascination” do álbum Young Americans. E explicou o porque desse álbum a ter influenciado tanto:

[Em Young Americans, o David Bowie] está a tentar reinterpretar a música soul, mas não apenas como um branco que nos faz sentir desconfortável — ele traz um certo tipo de arte e drama que é apenas seu. (…) O Bowie sempre soou a Bowie, independentemente das influências que teve [soou sempre original]. (…) Há uma parte de guitarra no segundo verso que contrasta com outra guitarra, quando a ouvi [à canção] pela primeira vez acho que chorei de felicidade durante uns 30 minutos. Senti como se a canção tivesse sido escrita só para mim, e é isso que o Bowie conseguia fazer com a sua música.

Também nas redes sociais vários músicos e bandas foram publicando temas do camaleão da pop inglesa, falecido na passada segunda-feira. Entre elas estão os norte-americanos Sonic Youth, importante (e marginal) banda no panorama rock dos anos 1990, que partilharam na sua página de Facebook o tema “Sorrow” (do álbum Pin Ups, de 1973) e uma colaboração ao vivo entre a banda e David Bowie, no âmbito do concerto “David Bowie e amigos”, de 1997, no Madison Square Garden (Nova Iorque):

Os Temples, uma das mais promissoras bandas britânicas da atualidade – de quem Noel Gallagher, dos Oasis, é um grande fã, e que atuaram na última edição do Vodafone Paredes de Coura -, também partilharam a sua homenagem ao músico, mas de uma forma diferente: partilharam um excerto das letras do tema “Memory of a Free Festival” (editado em 1969, no álbum homónimo):

"Resting on our handsIt was God's landIt was ragged and naiveIt was Heaven" - 'Memory Of A Free Festival', David Bowie

Publicado por Temples em Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016

Já o músico folk Kristian Matsson (aka The Tallest Man on Earth) deixou uma homenagem diferente: pintou a sua cara em homenagem a Bowie:

@spkmatsson Lost and insecure, my teens before finding David Bowie. And all of a sudden imagination could be used for...

Publicado por The Tallest Man On Earth em Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016
 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas