Nuno Melo e Assunção Cristas estão reunidos esta manhã para concertar posições e candidaturas. Cristas avança de certeza. Melo ainda pondera, embora tenha declaração à imprensa marcada para as 12h.

Quarta-feira à noite, em entrevista à RTP3, Nuno Melo avisara que ainda precisava ter uma conversa “determinante” com a ex-ministra da Agricultura. Os sinais são de que esta pode também avançar para uma candidatura até sexta-feira, confirmou o Observador (admitindo o Expresso um pré-anúncio hoje mesmo, nas redes sociais).

Seja qual for a sua decisão, Nuno Melo garantiu ter currículo para assumir o lugar. “Se eu achasse que não tinha capacidade nem sequer ponderaria. Fiz toda a escadaria no CDS, fui da base ao topo, fui candidato a assembleia de freguesia, assembleia municipal, Assembleia da República, ao Parlamento Europeu. Conheço este partido profundamente”, defendeu.

O deputado europeu diz que ainda está numa “fase pré-negocial” consigo próprio e, nas horas que lhe restam, a decisão far-se-á de várias conversas. Já teve várias com Assunção Cristas mas ainda precisará de mais uma, a “conversa determinante”, para decidir até amanhã. “Naturalmente que a conversa com a dra. Assunção Cristas é determinante para a minha decisão, senão já a tinha anunciado, coisa que não aconteceu”.

Cristas é uma das potenciais adversárias na corrida à presidência mas “adversária” é um termo que Melo rejeita. “Não tenho a dra. Assunção Cristas como adversária. Tenho-a como ativo importante no CDS. É reconhecida pelo trabalho no governo (…)”. Caso a ex-ministra da Agricultura não avance na corrida, Melo confessa que gostaria de a ter na sua lista.

Nuno Melo garante que a sua grande preocupação é que o CDS “não se vá balcanizar” nem radicalizar. “O fim do ciclo Portas não pode significar um partido que se vai balcanizar ou radicalizar em conflitos e nisso perder uma oportunidade que é importante para Portugal de assegurar que o CDS é um referencial de bom senso, competência e de estabilidade.”

Algumas pessoas olham para mim com vantagem, outras olharão para a Dra. Assunção Cristas, outros olharão para outros candidatos…”

Perante a pergunta direta de Vitor Gonçalves sobre se se vai candidatar ou não, Melo responde:

Tive oportunidade de lhe dizer antes desta entrevista que se me pedisse hoje para anunciar a minha candidatura, não o ia fazer. Não me fizesse a pergunta porque eu não lhe responderia. Eu, que sou uma pessoa de palavra, tenho uma conferência de imprensa agendada para amanhã ao meio-dia em que vou dizer se sou ou não candidato. Mas uma coisa posso dizer: independentemente de ser candidato ou não ser candidato, o CDS saberá dar uma grande lição ao país. A generalidade do comentário político tem estado no binómio Assunção Cristas ou Nuno Melo. Porque é que uma sucessão terá de ser entre Assunção Cristas contra Nuno Melo ou Nuno Melo contra Assunção Cristas? Porque é que não poderá ser um e outro com todos os outros?”

“Quero agradecer aos tantos militantes, alguns conhecidos, alguns anónimos, que do norte ao sul do país, dos Açores à Madeira, me têm enviado mensagens de apoio e de estima, que pedem que me candidate. Eu vejo nisso o melhor reconhecimento do que tem sido o meu trabalho à frente do CDS”. Conclusão? Amanhã, às 12h.