No ano em se assinalam os 100 anos do seu nascimento, a Quetzal irá disponibilizar pela primeira vez a obra completa de Vergílio Ferreira, um dos mais importantes escritores portugueses do século XX. O objetivo é tornar disponível, até ao final de 2016, todos os livros do autor, alguns deles esgotados há vários anos. Os primeiros volumes serão editados já este mês.

No dia 15 de janeiro, chegarão às livrarias os primeiros três títulos — O Caminho Fica Longe (1943), o romance de estreia do escritor que há muito se encontrava esgotado, Aparição (1959), uma das obras mais emblemáticas de Vergílio Ferreira, e Rápida, a Sombra (1974), também esgotado. A versão em papel de O Caminho Fica Longe, com prefácio de Helder Godinho, será acompanhada pela publicação, apenas em formato digital, da edição crítica e genética de Ana Isabel Turíbio, professora da Universidade Nova de Lisboa que, durante anos, estudou os manuscritos originais e as correções feitas pelo autor.

vf

Os três livros chegam às livrarias a 15 de janeiro

No mesmo dia, será ainda editado 1000 Frases de Vergílio Ferreira. O livro, com citações reunidas por Luís Naves, dá conta “da diversidade, riqueza e constante atualidade” da obra do autor e da atenção dada “ao humano” e ao “invisível das nossas vidas”, como refere a editora. As frases foram reunidas em 16 grandes temas, transversais à obra de Vergílio Ferreira, como o Amor, a Memória ou a Arte.

Em fevereiro, mês em que se irá realizar na Universidade de Évora um congresso internacional comemorativo do centenário do autor, a Quetzal irá reeditar a novela A Curva de Uma Vida (1938) e o romance Promessa (1947), obras póstumas publicadas pela primeira vez em 2011. Em formato digital, passarão a estar disponíveis os cinco volumes de Espaço do Invisível (incluindo o volume póstumo) e os nove volumes do diário Contra-Corrente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No final da primavera, voltará a estar disponíveis nas livrarias o há muito esgotado Cântico Final (1960). Em formato digital, será publicado Sobre o Humorismo de Eça de Queirós, o primeiro ensaio de Vergílio Ferreira. O volume irá incluir a versão preparada pelo autor em 1945 (a edição da Universidade de Coimbra data de 1943) e trabalhada pelo grupo de estudo e inventariação do seu espólio. Sobre o Humorismo de Eça de Queirós irá ainda incluir um prefácio da autoria de Onésimo Teotónio de Almeida. A editora planeia terminar o ano com a publicação de Onde Tudo Foi Morrendo (1942), cuja edição genética está ainda a ser preparada.

A apresentação do plano completo de reedição irá decorrer no dia do aniversário do escritor, 28 de janeiro, na Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira em Gouveia, na Guarda, a sua terra natal. A iniciativa insere-se no extenso programa de comemoração do centenário organizado pela Câmara Municipal de Gouveia.

Exposições e conferências. Há muito para ver e ouvir no centenário de Vergílio Ferreira

As iniciativas de comemoração do centenário não se ficam pela reedição da obra. Um pouco por todo o país, são vários os eventos que pretendem assinalar os 100 anos do autor de Aparição. Há exposições de fotografias, conferências e colóquios, iniciativas que decorrerão até ao final de 2016.

Na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, a programação do mês de janeiro será dedicada a Vergílio Ferreira. Entre as várias iniciativas, conta-se a exposição fotográfica “A Guarda em Vergílio Ferreira”, entre os dias 19 e 31 de janeiro, e a conferência “Vergílio Ferreira no século XXI”, que será proferida pelo professor Gabriel Magalhães, da Universidade da Beira Interior, a 12 de janeiro. Mais perto do final do mês, no dia 23 de janeiro, António Dias de Almeida realizará uma viagem literária às localidades de Melo e Gouveia.

No Município de Gouveia, estão previstas várias iniciativas ao longo do ano. Para o arranque das comemorações, o município programou três dias de atividades, que contarão com a presença do Ministro da Cultura, João Soares. A 28 de janeiro, dia em que se assinalam os 100 anos do escritor, será lançado um Inteiro Postal e um carimbo comemorativo dos CTT.

IP

Inteiro Postal dos CTT comemorativo do centenário de Vergílio Ferreira

Para além do postal, os CTT têm também planeado o lançamento de um selo dedicado a Vergílio Ferreira, que será incluído na coleção “Vultos da Cultura”. A data da emissão, porém, ainda não foi definida mas, de acordo com Mariana Maia Loureiro, assessora da empresa, o selo deverá ser lançado em finais de fevereiro ou inícios de março.

No dia 29 de janeiro, será inaugurada a exposição “Vergílio Ferreira — Os Caminhos da Escrita e o Fascínio da Arte”, organizada em parceira com a Biblioteca Nacional. A mostra ficará patente no Museu Municipal de Arte Moderna Abel Manta até 26 de março. A comemoração irá continuar no dia 30 com o colóquio “Vergílio Ferreira: Evocação, Evocações”, que decorrerá na Biblioteca Municipal de Gouveia. A jornada contará com a presença de diversas personalidades ligadas ao mundo das artes e das letras que, em algum momento, conviveram com o autor. No mesmo dia, o cine-teatro de Gouveia irá apresentar “Em Memória ou a Vida Inteira dentro de Mim”, um monólogo baseado no romance Até ao Fim (1987). A peça, com encenação de António Rebelo e de Pedro Sousa, será interpretada por Pompeu Jorge.

Entre os dias 19 e 21 de maio, irá decorrer o colóquio internacional “Vergílio Ferreira e o Apelo Invencível da Arte de Pensar”. O evento decorrerá no Município de Gouveia e na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. No mesmo mês, será ainda inaugurada uma exposição de quadros de Júlio Resende que ilustram as edições especiais dos romances Aparição, Para Sempre e do conto A Estrela. As comemorações do Município de Gouveia serão encerradas a 28 de janeiro de 2017 com uma palestra sobre o Roteiro Vergiliano, cuja apresentação está planeada para 12 de agosto, e sobre o espólio do autor.

No Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, terá início em fevereiro o ciclo “Vergílio Ferreira e Mário Dionísio: Literatura, pensamento e arte”, coordenado por Maria Alzira Seixo. No início da carreira, Vergílio Ferreira começou por seguir a mesma corrente literária que Mário Dionísio — o neo-realismo. Porém, mais tarde, influenciado pelos romances existenciais de Satre e Camus, acabou por afastar-se. Foi este distanciamento que levou o autor a criar algumas das suas obras-primas, como Aparição, Estrela Polar e Nítido Nulo. O ciclo, composto por cinco sessões, irá decorrer nos dias 15, 22 e 29 de fevereiro e 7 e 14 de março, entre as 18h e as 19h.

A 2 de março, irá decorrer na Universidade de Évora o congresso internacional “Vergílio Ferreira: entre o silêncio e a palavra total”. Organizado pelos departamentos de Linguística e Literaturas e de Filosofia da universidade, a jornada pretende reunir investigadores de diversas áreas em torno de um tema comum — a obra de Vergílio Ferreira. O objetivo é, de acordo com a instituição, “reevocar as coordenadas que pautam a sua escrita e promover novas hipóteses interpretativas do seu legado ficcional e ensaístico”.