Os Estados Unidos anunciaram novas sanções contra o Irão pelo seu programa de mísseis balísticos, um dia depois de terem sido levantadas sanções ao país, após terem sido cumpridas todas as exigências para iniciar o acordo nuclear internacional.

Cinco cidadãos iranianos e uma rede de empresas com sede nos Emirados Árabes Unidos e na China foram incluídos na ‘lista negra’ norte-americana, disse em comunicado o Departamento do Tesouro, acusando-os de trabalharem na aquisição de componentes para misseis balísticos iranianos.

A aplicação destas novas sanções terá sido adiada pela administração Obama por mais de duas semanas durante as negociações tensas que resultaram na libertação de cinco prisioneiros americanos, de acordo com fontes citadas pela Reuters. O anúncio só foi conhecido depois dos detidos terem sido libertados e estarem a caminho dos Estados Unidos.

Adam J. Szubin, subsecretário para o Terrorismo e Inteligência financeira, disse que o “programa de mísseis balísticos do Irão representa uma ameaça significativa para a segurança regional e global e vai continuar a ser objeto de sanções internacionais”.

O programa iraniano de mísseis balísticos de precisão com capacidade para ogivas nucleares, representa uma violação das sanções impostas pelas Nações Unidas em outubro passado.

O Conselho de Segurança da ONU levantou, no sábado, as sanções ao país, depois de a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ter confirmado que as autoridades iranianas cumpriram todas as exigências para iniciar o acordo nuclear internacional.

No mesmo dia, os Estados Unidos e a União Europeia decidiram levantar as sanções aplicadas ao Irão, entrando em vigor o acordo nuclear assinado em julho, em Viena.