Olá

834kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Mais uma tentativa falhada: foguetão da SpaceX explodiu depois de aterrar

Este artigo tem mais de 5 anos

Depois de ter conseguido aterrar um foguetão na vertical, em solo firme, a SpaceX voltou a falhar a aterragem numa jangada no oceano. O CEO da empresa, Elon Musk, partilhou o vídeo da explosão.

O foguetão aterrou na vertical, mas desequilibrou-se e caiu, explodindo no impacto da queda
i

O foguetão aterrou na vertical, mas desequilibrou-se e caiu, explodindo no impacto da queda

BRUCE WEAVER/AFP/Getty Images

O foguetão aterrou na vertical, mas desequilibrou-se e caiu, explodindo no impacto da queda

BRUCE WEAVER/AFP/Getty Images

O foguetão Falcon 9 da SpaceX voltou a explodir este domingo, quando tentava aterrar na vertical numa jangada. Esta tentativa (novamente) falhada aconteceu depois de a empresa ter conseguido, em dezembro de 2015, aterrar um foguetão na vertical sem quaisquer danos, em solo firme. O vídeo da aterragem deste domingo (e da explosão) foi partilhado pelo CEO da empresa, Elon Musk, na sua conta pessoal no Instagram:

No vídeo, pode ver-se o foguetão a aterrar na vertical. Mas depois do contacto com o solo, o Falcon 9 caiu e explodiu com o impacto. A empresa explicou que a queda deveu-se ao facto de uma das quatro “pernas” do foguetão não se ter fixado na plataforma de aterragem, o que levou ao desequilíbrio, relata a CNN. Na publicação que partilhou, o CEO da SpaceX sugeriu uma possível causa para esse desequilíbrio:

“A principal causa [para o insucesso na aterragem] pode ter sido uma acumulação de gelo formada a partir da condensação do denso nevoeiro [que se verificava] na descolagem”

A SpaceX está a tentar aterrar os foguetões na vertical, sem quaisquer danos, para os poder reutilizar mais tarde. Dado o elevado custo que têm, a possibilidade de os reutilizar após cada missão tornará a exploração espacial uma atividade significativamente mais barata. Desta feita, a SpaceX tentou aterrar o seu foguete Falcon numa plataforma localizada no mar: até agora, a empresa conseguiu apenas aterrar devidamente numa plataforma terrestre – mais estáveis.

Apesar da explosão, o primeiro (e principal) objetivo da SpaceX – o lançamento de um satélite – foi alcançado nesta missão, a que não foi dado qualquer nome oficial, segundo a CNN. O lançamento do foguetão ocorreu na Base da Força Aérea de Vandenberg, em Santa Bárbara (Califórnia), e o satélite colocado em órbita — chamado Jason-3 — servirá para medir os níveis dos oceanos, explicou a NASA, que foi uma das parceiras da SpaceX no projeto:

“Os dados do Jason-3 serão usados para monitorizar o aumento global dos níveis do mar, para investigar os impactos das ações humanas nos oceanos, para ajudar a prever a intensidade dos furacões e para ajudar à navegação dos operacionais da Marinha”

Esta foi a segunda missão bem-sucedida da SpaceX desde o desastre ocorrido em junho de 2015, quando um foguetão da empresa explodiu ao descolar. A nave, que não levava qualquer astronauta a bordo, transportava quase duas toneladas de comida e materiais com destino à Estação Espacial Internacional.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas