Rádio Observador

Agricultura

Capoulas acusa anterior governo de violar a lei com promessa de 200 milhões não autorizada

167

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, afirmou que o anterior governo violou a lei ao prometer um reforço não autorizado de 200 milhões de euros para o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020).

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, afirmou que o anterior governo violou a lei ao prometer um reforço não autorizado de 200 milhões de euros para o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020).

Capoulas Santos, que está hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de Agricultura e Mar, voltou a lamentar a fatura deixada pela sua antecessora no cargo, a centrista Assunção Cristas, mas salientou que “as expetativas dos agricultores devem ser respeitadas” e garantiu que se “vai bater por isso”.

Em causa está o facto de as candidaturas às medidas agroambientais no âmbito do PDR ultrapassarem a dotação disponível em 296 milhões de euros, uma situação que, segundo Capoulas Santos, o ministério liderado por Cristas tentou resolver com um pedido de reprogramação a Bruxelas que “onera o Orçamento do Estado em mais de 200 milhões de euros sem nenhum respaldo do Governo”.

“É inaceitável dar como adquirido que houve um reforço de 200 milhões de euros para a agricultura que ninguém autorizou e isso tem de ser autorizado”, sublinhou, destacando que o anterior Governo violou a lei.

Capoulas Santos adiantou que, logo que o governo decida incluir as verbas necessárias para assegurar a contrapartida nacional no Orçamento do Estado tenciona enviar para a Bruxelas a reprogramação correspondente.

Capoulas Santos falou ainda de outros problemas que vai ter de resolver, como o pagamento das dívidas às seguradoras, que ascendem a cerca de 20 milhões de euros, e a necessidade de encontrar mais 24 milhões de euros para pagar as obras do Alqueva cuja fonte de financiamento terminou em dezembro.

Por seu lado, o deputado do CDS-PP, Abel Baptista, acusou o ministro de estar a “criar uma instabilidade grande e permanente no setor” e de pôr os agricultores “em sobressalto” ao dizer que “não vai cumprir o que está no PDR”, enquanto o social-democrata Nuno Serra insistiu para que Capoulas Santos retire o “garrote” à agricultura e garanta o financiamento necessário para o PDR.

Em termos de prioridades, Capoulas Santos adiantou que passam por um eventual plano de pagamento mais escalonado no tempo para as seguradoras, aprovação de projetos de investimento, rever os limites máximos e concluir a legislação necessária para revogar a “liberalização da plantação de eucaliptos”, cumprindo um compromisso com os Verdes.

Os deputados questionaram também o ministro sobre as soluções para ultrapassar as dificuldades dos produtores de leite e dos suinicultores, com o responsável da tutela a prometer dar continuidade e promover o diálogo entre produção, indústria e distribuição.

O deputado do PAN André Silva foi a voz dissonante, criticando o “lobby” dos laticínios e questionando o ministro sobre se o governo iria gastar dinheiro em publicidade para apoiar a indústria do leite, “uma bebida cuja produção tem elevados custos ambientais e cujos alegados benefícios nutricionais têm sido colocados em causa”.

André Silva notou ainda que também algumas suiniculturas colocam “problemas gravíssimas” por estarem a laborar sem condições para tratar os resíduos, uma situação que Capoulas Santos espera melhorar com o processo de licenciamento que está em curso e cujo prazo vai ser prorrogado por mais um ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)