A recessão no Brasil pode ser mais “profunda e prolongada” do que se esperava, considerou hoje em relatório a agência de ‘rating’ Fitch.

A Fitch, que em dezembro rebaixou o ‘rating’ soberano do Brasil para grau especulativo, afirmou que “a recessão econômica do Brasil pode ser mais profunda e prolongada do que o previsto anteriormente. As perspetivas de médio prazo permanecem fracas e a recuperação do crescimento só deverá acontecer se ambiente político se estabilizar”.

A agência de notação acrescentou que o desempenho fiscal do país continuou a deteriorar-se em 2015, e acrescentou que as repetidas mudanças nas metas da política fiscal feriram a credibilidade do Brasil.

“A consolidação das perspetivas de crescimento fraco e o aumento mais rápido da dívida pública fizeram com que a Fitch rebaixasse a nota do Brasil para grau especulativo (BB+)”, justificou.

A agência também indicou que o início do processo de ‘impeachment’ contra a Presidente Dilma Rousseff trouxe uma camada adicional de incerteza, que pode prejudicar a execução dos ajustes fiscais corretivos e uma reforma estrutural mais ampla no Brasil.