UTAO

UTAO: Défice derrapou até setembro e compromete meta anual

As contas da UTAO apontam para uma derrapagem nos primeiros 9 meses de 0,6% do PIB face à meta menos rigorosa do PS e diz que os 3% (sem o Banif) só se conseguem com défice de 1% no último trimestre.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Nuno André Martins

O Governo anterior deixou um défice orçamental maior que o previsto em 0,6 pontos percentuais do PIB, comparando com o objetivo mais favorável que o PS quer alcançar, ou o equivalente a quase mais 1% do PIB, face à sua própria meta. Para conseguir atingir os 3% do PIB, mesmo sem contar com o Banif, o défice no quarto trimestre teria de ser de apenas 1% do PIB, algo difícil de acontecer, considera a Unidade Técnica de Apoio Orçamental.

Nos três primeiros trimestres do ano, o défice orçamental terá ficado acima do previsto até pelo novo Governo em 0,6% do PIB, dizem os técnicos do Parlamento. Isto, sem contar com o Banif, que acrescenta ao défice mais 1,2% do PIB.

Mesmo sem todas as operações extraordinárias que afetaram as contas públicas no ano passado, o desvio continua a ser na ordem dos 0,6% do PIB. A explicar esta derrapagem, explicam os técnicos, estão valores da receita muito aquém do previsto pelo Governo PSD/CDS-PP no orçamento do ano passado.

O défice durante os primeiros nove meses do ano passado desceu, mas muita desta descida terá sido à custa de efeitos extraordinários nas contas, tais como a operação de recapitalização do Novo Banco que agravou as contas de 2014, ano que serve de base para a comparação.

Sem estes efeitos extraordinários, dizem os técnicos, verifica-se “uma melhoria muito mais moderada do défice que a sugerida pelos resultados não ajustados”. A queda no défice seria de apenas 0,4 pontos percentuais do PIB na comparação entre os três primeiros trimestres de 2015 e o mesmo período de 2014.

A UTAO diz mesmo que da melhoria verificada no défice entre estes dois períodos, 90% devem-se à redução do impacto das medidas extraordinárias nas contas.

Para que o défice no final de 2015 tenha ficado em linha com o previsto pelo Governo de António Costa, que só assumiu funções no final de novembro mas já transmitindo garantias públicas de que essa meta seria cumprida, seria preciso que o défice orçamental nos últimos três meses do ano fosse de apenas 1% do PIB.

Este resultado, “embora seja exequível, afigura-se ainda assim relativamente exigente, tendo em conta que corresponde a um período em que ocorreu a mudança do ciclo político, o que por si só tende a constituir um fator de incerteza acrescida em torno do desempenho orçamental por comparação com outros períodos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)