A possibilidade de uma investidura de Pedro Sánchez e dos socialistas do PSOE para a liderança do governo de Espanha parece cada vez mais próxima. O El Mundo avança que o partido Ciudadanos, comandado por Albert Rivera, vê como “difícil” que Mariano Rajoy consiga formar governo nas condições atuais. E o El Confidencial avança, mesmo, que o partido está a ponderar uma abstenção que viabilizaria um governo liderado pelos socialistas do PSOE – que ficaram em segundo lugar nas eleições de 20 de dezembro – apoiados pelo Podemos de Pablo Iglesias e pelo PNV (o Partido Nacionalista Vasco).

As últimas horas foram férteis em desenvolvimentos no impasse político que se arrasta há um mês em Espanha. O Podemos cedeu numa das matérias que vinha criando maior crispação entre o PSOE e o partido de Pablo Iglesias: contrariando o que o Podemos tinha definido antes das eleições com os parceiros do partido nas regiões autonómicas, o Podemos ficará satisfeito com a formação de apenas um grupo parlamentar. Os líderes dos três movimentos regionais que concorreram com o Podemos queriam poder formar cada um o seu grupo parlamentar – além do do Podemos. Para isso, uma das responsáveis chegou a sugerir que, a troco de um acordo, o PSOE abdicasse de deputados para permitir a formação desses quatro grupos parlamentares.

Visivelmente agastado com o arrastar desta discussão, o líder do PSOE, Pedro Sánchez quis acabar com este debate e levou Pablo Iglesias a ceder. Apenas um grupo parlamentar será formado, o que já levou a várias demissões nos partidos aliados do Podemos nas regiões autonómicas, que alegam uma quebra do compromisso celebrado com o Podemos antes das eleições.

Perante a possível aproximação do Podemos e do PSOE, uma dupla a que segundo o El Mundo se juntariam os nacionalistas bascos, a formação de governo pode ficar nas mãos do Ciudadanos de Albert Rivera. A imprensa espanhola diz que não estão a decorrer negociações entre o PP de Mariano Rajoy e o Ciudadanos – a aparente inércia de Rajoy está a ser muito criticada – pelo que o partido de Albert Rivera está a considerar “difícil” que o PP possa governar. O El Confidencial diz, mesmo, que o Ciudadanos está a deixar Mariano Rajoy “desamparado”.

Fora de questão parece estar, definitivamente, uma grande coligação entre o PP e o PSOE. Os próximos dias ditarão se é possível haver um acordo para a investidura de Pedro Sánchez como chefe do governo espanhol ou se o país vizinho vai, mesmo, para eleições antecipadas. Caso em que, segundo uma sondagem divulgada terça-feira, o PP teria um resultado melhor – mais 13 deputados eleitos –, roubando votos, precisamente, ao Ciudadanos.