O fabricante do logótipo em losango não foi o único a produzir carros que libertavam emissões poluentes superiores aos limites legais. Além da Renault, um “certo número de marcas” ultrapassa o teto imposto pela Comissão Europeia. Quais? Não se sabe. Ségolène Royal, ministra da Ecologia francesa, revelou apenas que “oito fabricantes foram testados” e “outros quatro” vão ser analisados na “próximas semanas”.

A representante do governo gaulês — e mulher de François Hollande, presidente do país — não especificou o nome das restantes construtoras. A imprensa francesa, contudo, avançou na terça-feira que os restantes modelos com emissões acima dos valores estipulados por normas comunitárias pertencerão à Opel, à Ford e à Mercedes. “Todas as marca são suspeitas depois do que aconteceu com a Renault”, garantiu a ministra, à iTele.

Na terça-feira, Ségolène Royal revelou que perto de 15 mil carros do modelo Captur, da Renault, serão recolhidos para consertar uma anomalia no sistema de filtragem do ar — os veículos emitiam dióxido de carbono e óxido de azoto superiores aos limites da Euro 6, uma norma imposta pela Comissão Europeia.

Dessas dezenas de milhar de viaturas, quase 100 poderão estar em Portugal. Esta quarta-feira, o responsável pela comunicação da marca no país disse ao Diário Económico que os caros em causa são “exclusivamente do motor dCi 110, no Captur, produzidos entre Fevereiro e Agosto de 2015”.