A Câmara de Coimbra vai atribuir um subsídio de quase dois milhões de euros aos serviços municipalizados de transportes da cidade para “cobrir o custo social dos transportes” durante o primeiro trimestre deste ano.

O executivo municipal vai debater e votar na sua próxima reunião, na segunda-feira, a atribuição de um subsídio de cerca de 1.938.824 euros aos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC), destinado a “cobrir o custo social dos transportes no primeiro trimestre do presente ano”, anunciou hoje a Câmara daquela cidade.

Em Coimbra, “o custo social dos transportes é inteiramente suportado” pelo município, “ao contrário de cidades como Lisboa e Porto, que recebem ‘indemnizações compensatórias’ do Estado central para esse fim”, refere uma nota da Câmara Municipal.

“O custo social dos transportes é a diferença entre o que custa realmente o transporte e o valor – inferior a esse custo efetivo – que é pago pelos utentes quando adquirem senhas ou passes mensais”, acrescenta a mesma nota, adiantando que “o tarifário dos SMTUC não tem sofrido alterações nos últimos anos”.

Além dos subsídios à exploração, cuja previsão para a totalidade de 2016 ronda os 7,7 milhões de euros, a Câmara de Coimbra financia o custo social dos transportes através da receita dos estacionamentos que, em 2015, foi de cerca de 914 mil euros.

A frota dos transportes urbanos de Coimbra dispõe de um total de 109 autocarros urbanos, 12 troleicarros, nove miniautocarros, três miniautocarros elétricos (Linha Azul), cinco viaturas adaptadas (Transporte Especial), um autocarro de turismo (Cidade de Coimbra) e um miniautocarro de turismo.