478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

CDS responde à CNE com vídeo irónico no Facebook

Este artigo tem mais de 5 anos

Num curto vídeo publicado no Facebook, o partido lembra que Costa também falou nas eleições legislativas e não foi questionado pela CNE. Este órgão vai agora analisar as declarações de Portas.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O líder do CDS disse que o assunto das presidenciais “podia ficar resolvido à primeira volta” depois de ter votado no domingo e a CNE pediu que estas imagens deixassem de ser difundidas por indicarem preferência de voto no dia das eleições. Agora, a Comissão Nacional de Eleições está a analisar a situação, mas o partido de Paulo Portas não aceita a deliberação deste órgão eleitoral, lançando um vídeo no Facebook intitulado “o que uns podem dizer e outros não”.

O vídeo, lançado pelo próprio partido na sua página oficial de Facebook, mostra as declarações de António Costa nas eleições legislativas, quando afirmou estar “confiante” no resultado PS e mostra depois as declarações de Paulo Portas que deram origem à polémica com a CNE. No final, o partido diz ainda que presta estes esclarecimentos “com a devida vénia à Comissão Nacional de Eleições”.

Sobre as declarações de Paulo Portas no dia das eleições presidenciais. A 4 de Outubro de 2015, à saída da secção de voto, António Costa disse: "Aquilo que a campanha também revelou é que há uma enorme vontade da esmagadora maioria dos portugueses de mudar de governo e de política e que essa vontade se expressará hoje no voto dos portugueses"

Posted by CDS PP on Monday, January 25, 2016

O vídeo já foi visto mais de 5 mil vezes e teve mais de 100 partilhas. Depois do período de análise das declarações de Portas, a CNE pode remeter o caso para o Ministério Público, caso se venha a concluir que houve crime de “propaganda eleitoral no dia da eleição”. O líder centrista pode ainda ter de pagar uma multa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.