Segundo o porta-voz da Guarda Nacional, Jalifa Chibeni, os soldados e um grupo de homens armados trocaram tiros durante mais de 20 minutos perto do posto fronteiriço de Jinene Kharouf, situado na província de Gafsa.

“Elementos terroristas vindos da Argélia infiltraram-se no território tunisino pelas 19:20 locais (18:20 em Lisboa) e atacaram o posto fronteiriço, a cerca de 300 metros da linha divisória”, explicou.

“Tentaram também atacar uma patrulha de reconhecimento que regressava nessa altura ao posto. Abriram fogo e os agentes responderam de imediato”, acrescentou Chibani, que não identificou a nacionalidade dos atacantes.

O porta-voz também não deu conta de possíveis vítimas, limitando-se a indicar que os alegados extremistas conseguiram fugir em direção à Argélia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Iniciou-se uma missão de busca e reforçou-se o posto fronteiriço”, concluiu.

A região de Kasserine, vizinha da Argélia, é desde 2011 bastião de grupos armados islâmicos afiliados do grupo extremista Estado Islâmico.

No último ano, a sua presença estendeu-se às províncias vizinhas de Gafsa, Sidi Bouzid e Ben Guerdan, convertidas em local de passagem dos extremistas vindos de todos os países do Sahel que estão unidos na guerra na Líbia.

Em 2015, Tunes sofreu a pior onda de atentados na sua história recente, com três ataques que causaram a morte a 60 turistas estrangeiros e a 12 membros da guarda presidencial.