A polícia brasileira resgatou cinco cidadãos chineses que trabalhavam no Rio de Janeiro em condições de escravidão, durante uma campanha contra o trabalho ilegal, avançou esta terça-feira a agência oficial Xinhua, citando as autoridades do Brasil.

Três dos homens trabalhavam numa padaria em Copacabana, o popular distrito na zona sul do Rio de Janeiro, enquanto os restantes dois serviam num armazém de produtos importados em Bonsucesso, no norte da cidade.

De acordo com a Xinhua, os cinco homens terão afirmado que trabalhavam sem receber salário como forma de saldar uma dívida contraída ilegalmente e justificar a sua ida para o Brasil.

O resgate faz parte de uma campanha lançada em 2013 pela polícia brasileira visando combater o trabalho ilegal nas vésperas dos Jogos Olímpicos que se realizam este verão no Rio de Janeiro. Até ao momento, cerca de 20 cidadãos chineses foram resgatados, a maioria a trabalhar em padarias.

Em dezembro passado, a polícia da China desmantelou uma rede de tráfico humano que introduziu de forma ilegal cerca de 3.200 chineses em vários países da América do Norte e do Sul.

Segundo a imprensa local, a rede terá lucrado 220 milhões de yuan (32,4 milhões de euros) com o esquema de emigração ilegal, que envolveu sobretudo pessoas na casa dos vinte anos à procura de emprego.