A Comissão Europeia considera que “a Grécia negligenciou seriamente as suas obrigações” na gestão da fronteira externa do espaço Schengen, anunciou o comissário europeu Valdis Dombrovskis, em conferência de imprensa.

Um projeto de relatório hoje adotado na reunião do Colégio de Comissários, concluiu, adiantou Dombrovskis, que “a Grécia negligenciou seriamente as suas obrigações e que há deficiências graves nas fronteiras externas que devem ser resolvidas”.

O documento baseia-se numa visita de peritos, feita em novembro, à fronteira da Grécia com a Turquia.

A Grécia tem agora um prazo de três meses para responder às críticas mas se não adotar as medidas necessárias, a solução poderá passar por uma autorização para que os outros Estados-membros do espaço Schengen sejam autorizados a prolongar até dois anos a duração do restabelecimento dos controlos nas fronteiras internas.

Atualmente, o espaço Schengen de livre circulação de pessoas, bens e serviços abrange 26 países europeus (22 dos quais são Estados-membros da UE): Bélgica, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Estónia, Grécia, Espanha, França, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Hungria, Malta, Holanda, Áustria, Polónia, Portugal, Eslovénia, Eslováquia, Finlândia e Suécia, mais a Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça.