A comissão de inquérito ao Banif vai tomar posse já na próxima quarta-feira, dia 3 de fevereiro, informou aos jornalistas o deputado e secretário da Mesa da Assembleia, Duarte Pacheco. Depois de ser conhecida a sua composição, a comissão de inquérito deverá reunir-se para definir o modelo de trabalho e calendários, mas levará ainda alguns dias até proceder às primeiras audições. O prazo estipulado para a duração global da comissão de inquérito é de 120 dias.

Os grupos parlamentares têm até esta sexta-feira para indicar os deputados que vão integrar a comissão. Serão, segundo Duarte Pacheco, sete representantes do PSD, sete do PS, mais um representante de cada uma das restantes bancadas (PCP, BE e CDS). A isto acrescem três deputados suplentes dos dois maiores partidos, e dois de cada uma das restantes forças políticas. Só os Verdes e o deputado do PAN ficam excluídos da comissão parlamentar.

Esta sexta-feira decorrerão também as primeiras audições sobre o caso – mas ainda fora do âmbito da comissão de inquérito. O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno, vão ser ouvidos na comissão de Orçamento e Finanças na sequência de um requerimento apresentado pelos deputados do PSD e aprovado por unanimidade pelas restantes bancadas. As audições serão uma a seguir à outra, sendo que o governador será o primeiro a ser questionado.

Entretanto, o Parlamento deverá ter os seus esforços concentrados em torno da discussão do Orçamento do Estado para 2016, pelo que todos os demais trabalhos parlamentares deverão funcionar a meio gás. O Orçamento chegará à Assembleia até dia 5 de fevereiro, sendo que a discussão na generalidade ficou marcada para os dias 22 e 23 do mesmo mês. Segue-se a discussão na especialidade, entre os dias 24 e 4 de março, e a votação final global será a 16 de março.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR