Os antibióticos, quando tomados por crianças com idades compreendidas entre os dois e os sete anos, “podem ter efeitos a longo prazo na saúde imunológica e metabólica das crianças“, concluiu um estudo da universidade de Helsínquia, publicado na revista Nature Communications e citado pelo jornal The Guardian.

Segundo o estudo, que o jornal britânico cita, o uso de antibióticos em crianças jovens pode alterar o número de micróbios existentes no tubo digestivo, o que aumenta a probabilidade de que venham a ganhar peso e asma num período posterior da sua infância. Isto porque, segundo os investigadores finlandeses, o uso de antibióticos está diretamente associado à alteração duradoura da microbiota – aglomerados de bactérias em diferentes regiões do corpo humano – e do metabolismo.

As conclusões foram tiradas a partir de um estudo da universidade finlandesa que investigou os efeitos dos antibióticos em 236 crianças com idades entre os dois e os sete anos (a média de idades das crianças estudadas era de cinco anos).

No estudo, os investigadores afirmam que “entre as crianças que tomaram macrólidos [tipo de antibióticos usados no tratamento das infeções bacterianas e fúgicas mais comuns] no início da sua vida, encontramos uma correlação positiva entre uso de antibióticos ao longo da vida e o índice de massa corporal, tal como um maior risco de asma, o que sugere que o uso de macrólidos pode alterar a microbiota nas crianças, de uma forma que os torna mais suscetíveis a asma e a aumento de peso associado aos antibióticos, numa fase posterior da infância”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os resultados do estudo, explicam os investigadores da universidade de Helsínquia, confirmam em humanos os resultados obtidos em experiências anteriores, feitas com ratos:

Os nossos resultados confirmam e estendem os resultados anteriores de experiências com ratos e indicam que o uso de macrólidos pode ter efeitos indesejáveis no desenvolvimento da microbiota nas crianças, o que pode comprometer o desenvolvimento de um sistema imunitário e de um metabolismo saudável”.