Três reclusos fugiram de uma prisão de segurança máxima nos Estados Unidos, mais concretamente em Santa Ana, a 48 quilómetros a sul de Los Angeles, Califórnia. Na sexta-feira passada os homens, que podem estar armados, escaparam da Prisão Central do Condado de Orange ao perfurar as paredes das respetivas celas com ferramentas, atravessando de seguida as condutas aí presentes e descendo depois por uma das paredes do edifício utilizando lençóis a fazer de cordas, relata a BBC.

As autoridades, que consideraram os fugitivos “perigosos”, tentam agora perceber se existiu alguma ajuda de dentro ou de fora da instituição que alberga cerca de 900 reclusos.

Os fugitivos “perigosos”

Um dos reclusos a monte é o iraniano Hossein Nayeri, de 37 anos, que foi descrito como alguém “diabólico, sofisticado, violento e astuto” pela procuradora adjunta do Condado de Orange, Heather Brwon, cita a BBC.

Nayeri é um antigo fuzileiro naval e foi acusado de um crime no mínimo hediondo. Em 2012, conta a Associated Press, terá sequestrado um traficante da marijuana, tendo-o queimado com um maçarico (instrumento utilizado para soldar) e obrigado outro suspeito a cortar-lhe o órgão sexual. Nesse mesmo ano fugiu para o Irão mas foi detido em 2014 quando viajava para Espanha para visitar a família. A procuradora adjunta comparou até Nayeri a Hannibal Lecter, protagonista do filme “Silêncio dos Inocentes”.

Outros dos prisioneiros é Bac Duong, de 47 anos, que apesar de ter recebido uma ordem de deportação para o Vietname em 1998, permaneceu nos Estados Unidos, informa a Associated Press citando um comunicado do Departamento de Imigração americano.

Duong, que tinha entrado no país ilegalmente em 1991, acumulou uma série de crimes tendo cumprido uma pena de prisão por um roubo em 97. Depois disso enfrentou uma série de acusações de roubo ou posse de drogas, até que em 2015 foi acusado de tentativa de assassinato e de assalto num tiroteio nos arredores da cidade de Santa Ana, onde se localiza o estabelecimento prisional de onde agora fugiu.

O vietnamita conseguiu manter-se em território americano mesmo depois de tantos crimes porque o seu caso faz parte de uma série de exemplos de imigrantes condenados que as autoridades federais americanas tentam deportar mas os seus países de origem não os aceitam – por isso, continuam a viver nos Estados Unidos.

O último e mais novo é Jonathan Tieu, de 20 anos de idade, que estava a cumprir pena por homicídio depois de disparar uma arma contra uma casa habitada no meio de um alegado confronto entre gangues. Na altura a fiança decidida chegava ao milhão de dólares (mais de 900 mil euros)