Cinema

Novos filmes da Disney são machistas? Investigadoras dizem que sim e têm um novo argumento para a discussão

Apesar da evolução na representação das personagens femininas nos filmes da Disney, há um aspeto que contraria a igualdade de género nas histórias recentes da companhia de animação.

"Frozen: O Reino do Gelo" é um dos exemplos apontados no estudo das investigadoras

Getty Images

De “Branca de Neve e os Sete Anões” em 1937 a “Frozen: O Reino do Gelo” em 2013, as protagonistas femininas nos filmes da Walt Disney Animation Studios evoluíram com o tempo: de figuras tranquilas, de discurso conciliador, que suportam as dificuldades e humilhações sem queixarem-se, a personalidades mais combativas, audaciosas, que pensam e agem com maior independência.

Apesar de esta evolução refletir a mudança na construção de personagens femininas nos filmes da Disney, as investigadoras Carmen Fought da Pitzer College e Karen Eisenhauer da North Carolina State University descobriram uma tendência que contraria esta transformação: mesmo quando são protagonistas dos títulos, as personagens femininas têm menos falas que as masculinas, sobretudo nos filmes lançados nas últimas três décadas.

De acordo com as conclusões preliminares do trabalho apresentado este mês no Linguistic Society of America’s Annual Meeting , enquanto as personagens femininas são responsáveis por 50 a 70% das falas em filmes da era clássica da companhia, como “Cinderela”, “A Bela Adormecida” e “Branca de Neve e os Sete Anões”, o número diminui durante o chamado “renascimento da Disney” entre 1989 e 1999: “A Pequena Sereia” (32%), “A Bela e o Monstro” (29%), “Aladdin” (10%), “Pocahontas” (24%) e Mulan (23%).

A tendência repete-se durante o “segundo renascimento da Disney” a partir de 2009, com os títulos “A Princesa e o Sapo” (24%) e “Frozen: O Reino do Gelo” (41%).  As únicas exceções: “Entrelaçados” com 52% das falas dedicadas a personagens femininas e “Brave: Indomável”, com 74%.

As investigadoras assistiram a todos os filmes de animação da Disney e quantificaram as falas de todas as personagens por género. Para elas, parte do problema é que os filmes mais recentes da Disney têm predominantemente personagens masculinas com poucas figuras femininas em posições de poder ou respeito. “Não há mulheres a liderar uma vila contra o Monstro, não há mulheres a criar vínculos em tabernas enquanto bebem ou cantam, não há mulheres a dar ordens ou a inventar coisas. Todos os que estão a fazer alguma outra coisa, que não seja encontrar um marido num filme, são homens praticamente”, defende Fought em entrevista ao jornal Washington Post.

No entanto, a investigadora não culpa a Disney. “O meu melhor palpite é que é um descuido, porque somos treinados para pensar no sexo masculino como norma. Quando você quiser criar um personagem lojista, o lojista é homem. Ou criar um guarda, o guarda é um homem. Acredito que é algo que está enraizado na nossa cultura”, defende Fought.

“É dito que os filmes da era da renascença como ‘A Pequena Sereia’ e ‘A Bela e o Monstro’ não são o típico filme de princesas, eles têm ‘mulheres ativas a resolver coisas’. Isso é bom, mas estes filmes são realmente bons para as raparigas verem? Quando você começa a olhar este tipo de coisas, começa a questionar-se um pouco”, conclui a investigadora.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)