A faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra está a recrutar grávidas voluntárias para levar a cabo um projeto de investigação de prevenção e combate ao stress perinatal (ou stress pré-parto), anunciou a universidade em comunicao à imprensa. As inscrições para o estudo, que será aplicado em meados de fevereiro, já se econtram abertas e são gratuitas.

A investigação, afirma a universidade, será pioneira e terá como objetivo “minizar o elevado impacto negativo da depressão durante a gravidez e pós-parto” e fornecer estratégias para “ajudar [as grávidas] a lidar com o stress, ansiedade e desânimo” durante a gravidez.

A coordenadora do projeto (que se chama “Bem-estar Perinatal – Rastreio, prevenção e intervenção precoce na depressão perinatal nos cuidados de saúde primários”), Ana Telma Pereira, descreve, em comunicado, os potenciais benefícios que o projeto poderá ter para as voluntárias que nele quiserem em participar:

Todas as mulheres grávidas poderão, potencialmente, beneficiar com esta intervenção, pois a todas será dada a oportunidade de serem avaliadas quanto à presença de sintomas de depressão perinatal e fatores de risco associados.”

Quanto às voluntárias que, após o fim do projeto de investigação, continuem com sintomas clinicamente relevantes que apontem para a existência de Depressão Perinatal, “serão encaminhadas para consulta externa de psiquiatria, para avaliação e tratamento especializado por membros da equipa de investigação, no Centro e Responsabilidade Integrada de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra”, explica a responsável.

As inscrições podem ser feitas para o endereço eletrónico oficial do estudo – bemestarperinatal.fmuc@gmail.com – ou para o número de telefone 239 857 759, e estão abertas às grávidas com idade superior a 18 anos. O projeto é financiado pelo Programa de Iniciativas de Saúde Pública, EEA-Grants, que resulta do memorando de entendimento que o Estado português celebrou com países dadores (Islândia, Liechtenstein e Noruega).