Rádio Observador

Costumes e Tradições

Vergílio Ferreira deve ser celebrado “do ponto de vista da alegria longa”

201

Lídia Jorge, que foi amiga de Vergílio Ferreira e diz que o escritor foi "decisivo" na sua carreira, defende que, no centenário do nascimento, se devia falar dele "do ponto de vista da alegria longa".

A escritora gosta especialmente dos romances 'Para sempre' [1983], 'Até ao fim' [1987], 'Em nome da terra' [1991] e 'Na tua face' [1993]

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

“Devia falar-se de Vergílio do ponto de vista da alegria longa. Realço os romances da fase mais tardia, ‘Para sempre’ [1983], ‘Até ao fim’ [1987], ‘Em nome da terra’ [1991] e ‘Na tua face’ [1993], porque são a apoteose da narrativa, ainda que ele seja um grande ensaísta. [Mas] o que ele dizia que mais gostava de fazer, e fez até ao último dia de vida, foi o romance”, disse a autora de “Costa dos murmúrios”.

Lídia Jorge aponta estes quatro romances como “viscerais, sem marca de escola, em que Vergílio [Ferreira] aproveitou tudo o que aprendeu, juntou a sua experiência de vida e mostrou, na arte de narrar, essa alegria imensa de viver”. A escrita, como ele fez nesses livros, é “um triunfo da arte, perto de Fernando Pessoa”.

Antes de morrer, Vergílio Ferreira contou a Lídia Jorge o enredo do romance que contava ainda escrever. “É essa alegria de narrar que devia ser sublinhada” nestas celebrações, defendeu a autora.

Fixei muito bem a história, e pensei. ‘é um livro semelhante aos outros, a história é a mesma’, e, com o impacto da morte [dele], que aconteceu dois ou três dias depois, não fui capaz de a contar. A história era a mesma: a impossibilidade de amar a mulher, um adoração pela mulher que desaparece, era a mesma fixação literária, que dá a impressão que nunca leu Freud”.

Vergílio Ferreira, “desde os anos 1950, e sobretudo nos anos 1960, anunciou que o romance ia morrer, que a narrativa tal como nós a tínhamos herdado ia morrer e, na última conversa que tive com ele, perguntei-lhe se o romance estava morto, por que é que ele continuava, e ele respondeu-me: ‘Eu nasci para fazer isto, é o que eu faço melhor e não sei fazer mais nada'”.

Vergílio Ferreira nasceu a 28 de janeiro de 1916, em Melo, uma aldeia da Beira Alta, no concelho de Gouveia. Aos dez anos, os pais emigraram para o Canadá e Vergílio ficou em Portugal, com os irmãos mais novos. Uma peregrinação ao Santuário de Lourdes, em França, influenciou o menino de 12 anos, que decidiu entrar no Seminário do Fundão, de onde saiu aos 18 anos.

A sua experiência nesta escola eclesiástica servirá de mote ao romance “Manhã submersa” (1954), que Lauro António adaptou ao cinema, em 1980, assinando o argumento com o escritor, que fez parte do elenco ao lado, entre outros, de Eunice Muñoz e Canto e Castro, Jacinto Ramos e Adelaide João.

Vergílio Ferreira não seguiu a vida religiosa, terminou os estudos no então Liceu da Guarda e matriculou-se, depois, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo concluído a licenciatura de Filologia Clássica, em 1940. Durante a vida universitária publicou alguns poemas.

Licenciado, iniciou a carreira de docente do Ensino Secundário, em Faro, tendo lecionado, entre outros estabelecimentos, nos liceus de Bragança, Gouveia. Fixou-se em Lisboa, com a efetivação no Liceu Camões. Em 1946 casou-se com Regina Kasprzykowsky, uma polaca que se refugiara em Portugal, com quem viveu até à sua morte.

Ao longo da sua carreira, como escritor, recebeu vários prémios entre os quais o D. Dinis, em 1981, o P.E.N. Clube de Novelística, por duas vezes, em 1984 e 1991, por “Para sempre” e “Em nome da terra”, o de Ensaio, em 1993, por “Pensar”, o da Crítica da Associação Portuguesa de Críticos Literários, em 1984.

Recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela, da Associação Portuguesa de Escritores, em 1987 e em 1993, respetivamente por “Até ao fim” e “Na tua face”, e o Prémio Camões, em 1992. Em 1979, foi condecorado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.

O escritor morreu no dia 01 de março de 1996, no seu apartamento, em Lisboa, onde residia, e está sepultado em Melo, virado para a Serra da Estrela, conforme a sua vontade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)