437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Challenger. O desastre foi há 30 anos

Este artigo tem mais de 5 anos

Na manhã de 28 de janeiro de 1986, o vaivém Challenger partia pela décima vez em direção ao espaço. Mas nunca lá chegou. Explodiu e desintegrou-se, matando os sete tripulantes. Foi há 30 anos.

i

By Kennedy Space Center [Public domain], via Wikimedia Commons

By Kennedy Space Center [Public domain], via Wikimedia Commons

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aconteceu a 28 de janeiro de 1986, há 30 anos. A manhã estava fria. Fria demais. Na Florida, Estados Unidos, tudo a postos para a partida do vaivém espacial Challenger. Era a décima vez que o iria fazer. O que poderia correr mal? Passavam poucos minutos das onze e meia quando o aparelho descolou, subindo a pique em direção ao céu.

A bordo, seis astronautas e uma professora, civil, a primeira a participar numa viagem deste género. Mas algo correu mal: 73 segundos após o início da subida, o aparelho explodiu e desintegrou-se, resultando na morte de todos os tripulantes. Foi o primeiro grande desastre a marcar a história da exploração espacial.


A desintegração do Challenger foi transmitida em direto pela CNN

Diversos fatores terão contribuído para o acidente. Primeiro, os vários reagendamentos consecutivos: a data original seria a 22 de janeiro, mas a partida acabou por realizar-se a 28. Depois, a própria temperatura que se fazia sentir nessa manhã. Os termómetros registavam um grau negativo — há mesmo fotografias que mostram gelo na torre de lançamento, poucas horas antes da descolagem. E, por fim, um problema com uma peça de borracha circular — O-ring, ou junta tórica –, que vedava um dos motores propulsores do vaivém.

Essa falha terá provocado um incêndio que, quando se alastrou a um dos tanques de combustível, terá resultado na explosão capturada pelas câmaras. A cápsula onde seguiam os tripulantes escapou à explosão, mas despenhou-se no oceano Atlântico a uma velocidade superior a 300 quilómetros por hora. Nunca se chegou a saber se os sete membros morreram da explosão ou do embate da cápsula na água.

Após a desintegração do Challenger, o programa Space Shuttle foi suspenso. Houve uma comissão especial instaurada pelo Governo norte-americano, com o objetivo de apurar as causas do desastre. As missões só seriam retomadas 32 meses depois. O acidente permitiu, ainda, apurar e corrigir outros problemas no programa de exploração espacial norte-americano, tornando as missões espaciais um pouco mais seguras.

Editado por Filomena Martins

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.